Pesquisar
Pesquisar

Economia boliviana se recupera e cresce 5,1%, enquanto desemprego cai de 12% para 5,2%

Presidente Luís Arce destacou que desempenho de empresas públicas permitiu criar milhares de empregos e investir em programas sociais
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

O ministro da Economia e Finanças Públicas da Bolívia, Marcelo Montenegro, prevê um crescimento da economia de 5,1%, o que terá reflexos positivos no emprego e nos rendimentos dos bolivianos.

“Espera-nos um ano de consolidação da recuperação econômica; […] isso vai refletir-se no emprego, nos bolsos, no rendimento”, disse Marcelo Montenegro à imprensa, sublinhando que se deve encarar o próximo ano com “expectativas positivas”.

No último dia 29 de dezembro, fazendo um balanço, Montenegro disse que o país andino-amazônico previa encerrar 2021 com um crescimento próximo dos 6%, sobretudo dinamizado pelos sectores das manufaturas, da construção, do transporte e da mineração, refere a Agência Boliviana de Información (ABI).

A taxa de desemprego foi reduzida dos 12% registados em julho de 2020 para 5,2% em outubro do ano passado, o que representa mais 1,1 milhões de pessoas a trabalhar, segundo afirmou.

Montenegro disse ainda que governo vai aumentar o investimento público para cinco mil milhões de dólares e que prevê uma taxa de inflação de 3,4%.

Presidente Luís Arce destacou que desempenho de empresas públicas permitiu criar milhares de empregos e investir em programas sociais

Agencia Boliviana de Información
A taxa de desemprego foi reduzida dos 12% registados em julho de 2020 para 5,2% em outubro do ano passado

2021 foi ano de “reativação econômica”

Também em jeito de balanço, o presidente boliviano, Luis Arce, destacou a “reativação econômica” do país, bem como o desempenho de nove empresas públicas, que criaram milhares de empregos e deram um enorme contribuição para os programas sociais.

Na sua conta oficial de Twitter, Arce, que nomeou as empresas em causa, disse que, até novembro último, reportaram lucros de 144,6 milhões de euros, acrescentando que “se exportaram produtos para países como o Peru, a Argentina e o Reino Unido, que geraram mais de 3.000 empregos diretos e 20 mil indiretos”.

“Isto permitiu inclusive apoiar com 65,5 milhões de bolivianos (8,3 de euros) os nossos programas sociais”, sublinhou.

Ao referir-se ao sistema financeiro, o chefe de Estado disse que “também mostra sinais de recuperação”, na medida em que a liquidez aumentou 23% em relação ao ano anterior. “Para nós é claro o caminho para reconstruir a pátria”, frisou.

Redação AbrilAbril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos