Pesquisar
Pesquisar

"Economia foi muito resistente": 45 instituições financeiras preveem que México crescerá 5% em 2021

O prognóstico melhorou em 0,2 pontos porcentuais com relação à pesquisa de março. “A atividade está preparada para se recuperar em 2021 em meio de remessa mais fortes e um rápido crescimentos nos Estados Unidos”
Dora Villanueva
Diálogos do Sul
Cidade do México

Tradução:

O crescimento do México este ano será de 5%, de acordo com o consenso de 45 instituições financeiras, associações, corretoras e bancos de investimento de nível internacional, consultados por FocusEconomics.

O prognóstico melhorou em 0,2 pontos porcentuais com relação à pesquisa de março, pois “os dados sugerem que a economia foi muito resistente no primeiro trimestre, apesar dos cortes de energia e as restrições (à mobilidade) de inícios do período que buscavam controlar os crescentes casos da Covid-19”. Entre os analistas consultados, GBM Securities tem a expectativa de crescimento mais baixa para este anos; prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) avance 3,4%, enquanto o Instituto de Investigações Económicas de Munich estima que a expansão será de até 6,7%.

O prognóstico melhorou em 0,2 pontos porcentuais com relação à pesquisa de março. “A atividade está preparada para se recuperar em 2021 em meio de remessa mais fortes e um rápido crescimentos nos Estados Unidos”

Reprodução: Luis Castillo
Cidadãos fazem fila para comprar tamales durante o dia da Candelária, na capital do país, em 2 de fevereiro de 2021

Mesmo com o aumento na atividade econômica durante 2021, espera-se que o PIB por habitante não se recupere a níveis prévios à pandemia, senão até 2023; e ficará abaixo do Uruguai e do Chile.

“A atividade está preparada para se recuperar em 2021 em meio de remessa mais fortes e um rápido crescimentos nos Estados Unidos”, reportou Focus Económics. Em geral, os analistas projetam que os fluxos de dinheiro de trabalhadores para o México aumentarão a 43 bilhões e 200 milhões de dólares em 2021, impulsionadas pelo estímulo fiscal e a queda do desemprego no mercado de trabalho estadunidense.

“No entanto, é provável que o débil apoio fiscal pese sobre a demanda interna”, agregou e listou como riscos um reponte de casos de Covid e “um entorno empresarial incerto” fustigado pelo setor público no setor energético. 

Como fatores a favor do país, a firma consigna o “compromisso com uma política fiscal sólida, um grande mercado nacional e o acesso livre de tarifas ao mercado estadunidense”; no entanto, como fatores em contra estão “um entorno empresarial incerto, um setor financeiro relativamente débil e a violência relacionada com as drogas”. 

Em política monetária, os analistas consultados por FocusEconomics calculam que a inflação finalizará 2021 em 4,3%, 0,3 pontos porcentuais a  mais do que no prognóstico do mês passado. Com esta previsão, as taxas se manteriam estáveis no fechamento do ano, agregaram. 

No entanto, Marco Oviedo, chefe de pesquisa econômica da América Latina de Barclays, comentou que se espera que o Banco do México retome o ciclo de baixas na taxa de juros durante sua reunião de agosto, dado que alguns integrantes da Junta de Governo comentaram que haveria uma pausa. 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Dora Villanueva

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei