Pesquisar
Pesquisar

Editorial: Morreu Quijano, o grande mestre do livre pensar

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Aníbal Quijano nos deixou na última quinta-feira (31), mas permanecerá na galeria dos mais expressivos pensadores latino-americanos. Eterno como instigador mor do pensamento crítico, da busca por uma filosofia e uma ética fincada na latinidade-americana. Mais americana que latina, mais quéchua, aimará ou guarani que qualquer dos idiomas dos conquistadores europeus.

Latinidade para Quijano é colonialidade que precisa ser decolonizada. É a busca da libertação do pensar, no entendimento de que a liberdade é possível libertando-se da condição de colonizado.

Quijano é difícil, mas é libertador. Um maravilhoso rebelde, cujo pensamento permanecerá ajudando as gerações presentes e futuras a questionarem o pensamento aprisionador e seguir a senda do pensamento crítico e libertário.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei