Pesquisar
Pesquisar

Eleição do Conselho de Direitos Humanos da ONU é uma vergonha, alerta parlamentar

"Eleição do Brasil fortalece agenda da ultra -direita que é anti meio-ambiente, anti direitos humanos, anti mulheres, anti LGBTs, anti tortura", disse a parlamentar
Plinio Teodoro
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

Após sofrer censura de diplomatas ao denunciar as violações dos direitos humanos pelo governo Jair Bolsonaro em Bruxelas, a deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL-RS) classificou como “uma vergonha” a eleição do Brasil a novo mandato no Conselho de Direitos Humanos da ONU sob o comando de um governo que, claramente, constrói uma pauta contra tudo o que é debatido no órgão.

“Uma vergonha, porque embora a gente saiba que a eleição envolva negociação de votos e por isso o Brasil foi eleito, o governo vai enxergar nisso um fortalecimento de sua agenda anti meio-ambiente, anti direitos humanos, anti mulheres, anti LGBTs, anti combate à tortura”, disse a parlamentar, que está na capital belga participando de debates durante a assembleia geral da ONU, em entrevista à Fórum.

"Eleição do Brasil fortalece agenda da ultra -direita  que é anti meio-ambiente, anti direitos humanos, anti mulheres, anti LGBTs, anti tortura", disse a parlamentar

PSOL
A deputada federal Fernanda Melchionna (PSol-RS) denunciou a política de direitos humanos de Bolsonaro

Fernanda afirma ainda que as negociatas e o alinhamento do Itamaraty, comandado pelo olavista Ernesto Araújo, a ditaduras ultra-medievais, que permitiram que o Brasil assumisse novo mandato no conselho causará um retrocesso nas posições do Brasil, que sempre se pautou pela defesa das minorias e vulneráveis.

“Eu já havia criticado o ministro Ernesto Araújo quando ele esteve na Câmara dos Deputados, quando perguntei sobre o plano do Brasil para o Conselho e, na verdade, o plano omitia essas questões, incluindo posições contra a tortura, a população LGBT e outros temas fundamentais quando se trata de um conselho de direitos humanos. Aliás, o Brasil se aliou com ditaduras ultra-medievais contra as mulheres para retirar as questões de gênero das resoluções da ONU”.

Para a parlamentar do PSOL, o fato de Bolsonaro levar ao mundo suas posições conservadoras e ditatoriais torna ainda mais urgente a luta em defesa dos Direitos Humanos. “Nossa luta nacional e internacional é ainda mais urgente diante das violações graves contra os direitos humanos que vemos potencializadas no país diante do governo Bolsonaro”, afirmou.

*Plinio TeodoroJornalista, colaborador da Fórum, terapeuta transpessoal e consultor de relações humanas. 

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Plinio Teodoro

LEIA tAMBÉM

Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
Palestina- Gaza
Relatório do Repórteres Sem Fronteiras minimiza crimes de Israel contra jornalistas palestinos