Pesquisar
Pesquisar

Eleição para governadores em Cuba reforça poder popular, diz deputado cubano

"Vemos isso como mais um passo no fortalecimento de nossa democracia no funcionamento do Poder Popular, que criamos, e cabe a nós melhorar"
Roberto Hernández Solano
Prensa Latina
Havana

Tradução:

Com a eleição de governadores e vice-governadores, Cuba aperfeiçoa sua democracia sem pressão, disse o deputado religioso Orlando Gutierrez.

“Vemos isso como mais um passo no fortalecimento de nossa democracia no funcionamento do Poder Popular, que criamos, e cabe a nós melhorar sem pressão”, afirmou Gutierrez em conversa com a Prensa Latina.

O mais importante é que fica claro que isso (aponta para a Constituição da República, que está em suas mãos) não é uma carta morta, disse o delegado do círculo eleitoral após exercer seu direito de voto no colégio eleitoral do município de Praça da Revolução.

O fato de os delegados municipais votarem para eleger o governador é algo sui generis de nossa democracia, disse o homem, talvez um dos religiosos mais midiáticos da Assembléia Nacional.

"Vemos isso como mais um passo no fortalecimento de nossa democracia no funcionamento do Poder Popular, que criamos, e cabe a nós melhorar"

Prensa Latina
Deputado Orlando Gutierrez

“Eu represento mais de dois mil eleitores como delegado do distrito eleitoral e somos os únicos que podem eleger o governador”, afirmou.

Questionado sobre se a maneira de escolher as autoridades provinciais é uma maneira de demarcar os interesses das pessoas, Gutierrez respondeu que não existe tal possibilidade.

O Presidente da República faz sua proposta, mas somos nós quem escolhe, porque se ele não recebe 50% mais um dos delegados básicos não é eleito governador, conforme escrito na lei eleitoral e está incluído em nosso constituição, ele observou.

Ao se referir ao futuro, o representante municipal mencionou o que considerou os dois grandes problemas do país, primeiro o bloqueio, que é real, o outro é a subversão, que tenta acabar com a ordem constitucional.

Ele também lembrou a proximidade do dia das eleições com o nascimento do herói nacional cubano José Martí, em 28 de janeiro de 1853, a quem considerava o pai do processo revolucionário.

“É universal, muitos reivindicam a si mesmos, mas não há dúvida de que a paternidade de nossa Revolução é Martí quando foi dito que ele era o autor intelectual do ataque ao quartel de Moncada, para que a paternidade não seja removida por ninguém”, ele argumentou.

Tais raízes entre os cubanos motivaram reações tão fortes à afronta, disse ele em referência ao ataque a vários de seus bustos em Havana, realizado por duas pessoas já detidas pelas autoridades.

Enquanto isso, o delegado municipal Fidel Ernesto Hernández considerou que a eleição dos governadores permitirá melhorar o funcionamento das estruturas governamentais.

Com o nosso sistema, não há separação entre o povo e o governador e esse compromisso deve ser maior, explicou.

O dia em 167 municípios da nação do Caribe (com exceção do município especial de Isla de la Juventud, que não foi convocado por não fazer parte de nenhuma província) foi caracterizado pela participação maciça de delegados municipais.

Em sua primeira parte, por votação, o Conselho Nacional Eleitoral (CEN) disse que abriu as 167 mesas de voto planejadas e a participação foi de 97,92%.

Os eleitos por votação direta e secreta tomarão posse nos próximos 21 dias, quando o CEN estiver disponível.

Cada governo provincial será constituído pelos conselhos provinciais, compostos pelo governador, vice-governador, presidentes e vice-presidentes das assembleias municipais, além dos prefeitos (responsáveis ??pelos municípios e que serão eleitos em breve).

Os resultados da eleição deste sábado serão conhecidos nesta tarde em uma conferência de imprensa do árbitro, que primeiro informará o presidente da República e o chefe da Assembléia Nacional do Poder Popular.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Roberto Hernández Solano

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia