Pesquisar
Pesquisar

Em ação inédita, Obrador nomeia feminista para coordenar instituto de Mulheres no México

Nadine Gasman era representante da ONU Mulheres no Brasil e tem uma longa trajetória contra violência sexual e em defesa dos direitos reprodutivos
Redação Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador (AMLO), nomeou, nesta quarta-feira (20), Nadine Gasman Zylbermann, ex-representante da ONU Mulheres no Brasil, como presidenta do Instituto Nacional de Mulheres (Inmujeres). 

O órgão, criado em 2001 pelo ex-presidente Vicente Fox (2000-2006), é responsável por coordenar e desenhar políticas públicas para a equidade de gênero e erradicação da violência contra as mulheres.

“É uma honra ter sido selecionada como titular do Inmujeres entre um trio de mulheres com trajetórias destacadas. Me proponho a colocar no centro das ações a agenda da igualdade substantiva e contribuir para a superação das desigualdades entre mulheres e homens”, afirmou em sua conta no Twitter. 

Nadine Gasman era representante da ONU Mulheres no Brasil e tem uma longa trajetória contra violência sexual e em defesa dos direitos reprodutivos

Reprodução/ ONU
Nadine Gasman Zylbermann

Entre as funções da pasta estão o fortalecimento da igualdade substantiva entre homens e mulheres; fortalecimento da transversalidade da perspectiva de gênero nos estados e municípios do país; proteção das línguas maternas, tendo como foco a perspectiva de gênero e a adoção de uma estratégia nacional para a prevenção da gravidez entre adolescentes.

Quem é Nadine Gasman?

Gasman é franco-mexicana, estudou medicina e possui mestrado em saúde pública na universidade de Harvard e doutorado em Gestão e Políticas da Saúde na Universidade Johns Hopkins. Ela estará à frente do cargo por três anos e poderá ser reeleita. 

Foi diretora da campanha das Nações Unidas para eliminar a violência contra a mulher na América Latina e Caribe e diretora do IPAS México, uma ONG internacional dedicada aos direitos sexuais e reprodutivos, que prestava apoio ao governo no desenvolvimento dos Modelos Inclusivos Centralizados de Cuidados às vítimas/sobreviventes de abuso sexual e cuidados pós-aborto. Além disso, liderou a Assembleia de Saúde da População, que produziu a Carta Régia de Saúde da População, um documento de base amplamente utilizado e traduzido para mais de cem línguas.

Entrou nas Nações Unidas como representante do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) na Guatemala, em 2005, e apoiou governos locais e nacionais, organizações da sociedade civil e do setor privado no avanço dos direitos sexuais e reprodutivo e saúde reprodutiva. Foi pioneira neste órgão em relação às adolescentes indígenas.

Transparência

Analistas mexicanos consideram que a nomeação contraria a prática que vinha sendo adotada nos governos anteriores de indicações sem transparência. Desta vez, foi emitida uma convocatória para que feministas com experiência pudessem participar do processo de seleção para a vaga. Das três selecionadas, AMLO escolheu Gasman 

Em declarações ao site Político.mx, Arely Torres Miranda, ex-conselheira do Inmujeres afirmou que esse processo aberto foi um divisor de águas, porque “pela primeira vez uma feminista, preparada e aliada ao movimento, pôde chegar à frente do organismo”.

Em declaração do site Cimac Noticias, Gasman afirmou:

“O Inmujeres tem um papel muito importante para conseguir com que ,no marco do governo, a perspectiva de gênero e, portanto, a centralidade das necessidades de todas as mulheres, especialmente das que estão em condição de maior vulnerabilidade, sejam parte das políticas públicas, parte do investimento público e esteja em tudo o que esse governo, em âmbito federal, estadual, municipal, tem que fazer para promover um desenvolvimento inclusivo, sustentável e que esteja baseado na justiça social.”.

* Com informações do Político.mx e da ONU Mulheres


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda