Pesquisar
Pesquisar

Em Davos, Haddad anuncia reforma tributária que isenta mais pobres e cobra quem não paga

Já segundo Marina Silva, combate ao desmatamento será prioridade e fundos de doação não serão colocados no teto de gastos
Redação Rede Brasil Atual
Rede Brasil Atual
São Paulo (SP)

Tradução:

Os ministros Fernando Haddad (Fazenda) e Marina Silva (Meio Ambiente) participaram na manhã desta terça-feira (17), no horário de Brasília, do painel sobre o Brasil no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, representando o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Ambos foram questionados, de modo geral, sobre os desafios da fase que se inicia no país, do ponto de vista da luta contra o extremismo bolsonarista, propostas econômicas e política ambiental.

No início do painel Haddad afirmou que, hoje, o governo brasileiro tem uma “base suficiente” para enfrentar os desafios de começar a gestão com os ataques golpistas à democracia. Segundo ele, a resposta à tentativa de golpe foi institucionalmente bem sucedida, com a união de 27 governadores e os Três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário), que “juntos tomaram medidas cabíveis para pôr ordem na bagunça”.

Cannabrava | Lula e o dilema: Ser ou não ser colônia?

Marina concordou que “não é confortável ter uma oposição de extremistas”. “Esse fenômeno não é só do Brasil, mas ocorre no mundo, também aconteceu no Capitólio, e as democracias trabalham para enfrentar essas situações desestabilizadoras, inclusive para o investimento e a melhoria da qualidade de vida das pessoas”, destacou.

Haddad e Marina ressaltaram em Davos que as respostas institucionais foram rápidas, e em poucas horas o governador do Distrito Federal (Ibaneis Rocha) foi afastado e foi decretada intervenção no DF, com centenas de presos e financiadores sendo identificados. Segundo Marina, a situação mostra instituições fortes, e “mesmo com a sociedade dividida, parte dos que votaram em Bolsonaro não concorda com os eventos extremos” do dia 8.

Já segundo Marina Silva, combate ao desmatamento será prioridade e fundos de doação não serão colocados no teto de gastos

Captura de tela – WEF
Marina Silva, sobre a Amazônia: "Precisamos de parceria, cooperação tecnológica, mas sobretudo que o mundo faça sua parte"




Plano econômico e sinergia

Questionado sobre o “ambicioso plano econômico para reduzir o déficit”, Haddad ressalvou que, “sendo franco, não se trata de um plano ambicioso”, mas uma proposta inicial para corrigir problemas causados “não pela pandemia, mas pela (então) iminente derrota do governo anterior nas eleições, (que) tomou uma série de medidas de dispêndios eleitoreiros”. Isso, explicou, provocou uma renúncia de 1,5% do PIB em arrecadação e causou “enorme desequilíbrio nas contas”.

Segundo Marina, o que caracteriza o novo governo Lula é a “sinergia” e a proposta de “trabalhar para estabilizar a democracia e enfrentar as desigualdades sociais”. Ela lembrou que é preciso enfrentar as desigualdades de uma realidade de 33 milhões de pessoas que passam fome no Brasil.


Amazônia e clima

A ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima destacou que, com os novos rumos do país, o Fundo Amazônia, inativo desde o início da trágica era Bolsonaro em 2019, já foi restabelecido.

O combate ao desmatamento será prioridade, disse, e, com apoio da Fazenda, sua pasta terá recursos ampliados e os fundos de doação não serão colocados no teto de gastos. “O Brasil tem compromissos ambiciosos: ser um país economicamente próspero, socialmente justo e politicamente democrático, culturalmente diverso e ambientalmente sustentável”, afirmou a ministra.

O plano da América Latina para desafiar o dólar com uma nova moeda

Haddad sublinhou que, entre as propostas principais, está a reforma tributária. “Queremos votar no primeiro semestre o imposto sobre consumo, mas no segundo semestre votar uma reforma sobre a renda para desonerar as camadas mais pobres e onerar quem não paga”, afirmou. No novo quadro latino-americano de governos mais progressistas, disse que, nesse contexto, se não há o boom de commodities do início dos anos 20, é preciso “fazer um boom de integração”.


Cop 30 e paz

Perguntada quais são os compromissos brasileiros ao se candidatar a sediar a Cop 30, Marina respondeu ser uma demonstração de que “os enunciados grandiosos” precisam se materializar “na prática”. Entre eles, a superação do problema das terras indígenas vítimas da exploração do garimpo. Ressalvou que  “a resposta não é só nossa: precisamos de parceria, cooperação tecnológica, mas sobretudo que o mundo faça sua parte, senão a Amazônia será destruída igualmente”.

Segundo Haddad, o presidente Lula defende que o compromisso dos chefes de Estado com a paz “tem de ser mais claro, mais resoluto”. “Se o mundo quer paz, tem que trabalhar por ela, e não só desejar”.

Redação | Rede Brasil Atual


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Rede Brasil Atual

LEIA tAMBÉM

marx-ecologia
Marxismo ecológico: como Marx entendia a relação entre mudança climática e capitalismo?
Putin-Xi (1)
Do comércio à segurança, união China-Rússia ganha força e vira dor de cabeça para Ocidente
crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor