Pesquisar
Pesquisar

Em entrevista, Elisa Larkin explica qual o papel dos brancos na luta antirracista

“O branco que deseja se engajar nessa luta precisa entender que protagonismo é do povo preto”, diz ao destacar importância de se conhecer intelectuais negros
Beatriz Contelli
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

A última quinta-feira (19) foi marcada pelo assassinato brutal de José Alberto Silveira Freitas por um segurança e um policial dentro de uma loja Carrefour, em Porto Alegre (RS). Um dia depois, data em que se comemora o Dia Nacional da Consciência Negra, manifestantes foram às ruas buscar por justiça e relembrar que ainda enfrentamos o reflexo de uma sociedade racista e escravocrata. 

O acontecimento tomou as redes sociais e o dia foi dedicado ao debate de políticas de enfrentamento à violência racial e ao incentivo do reconhecimento da cultura e a valorização dos saberes, da epistemologia da população negra. 

Para tratar do assunto e explicar qual o papel das pessoas brancas na luta antirracista, o jornalista diretor-fundador da Diálogos do Sul entrevistou a doutora em Psicologia Escolar e diretora do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (Ipeafro), Elisa Larkin Nascimento.

Elisa expôs como o racismo afeta toda a sociedade e, assim como Frantz Fanon e outros pensadores constataram, afirmou como a internalização do mesmo está profundamente relacionada ao colonialismo e ao princípio da eugenia. “Não é um legado que se prolifera apenas explicitamente, não apenas por meio do insulto racial, na afirmação de um preconceito dito, mas sobretudo nas formas dos tecidos sociais. É naturalizado nas instituições”, comenta. 

“O branco que deseja se engajar nessa luta precisa entender que protagonismo é do povo preto”, diz ao destacar importância de se conhecer intelectuais negros

@lleffa
Candidata do PCdoB à prefeitura de Porto Alegre, Manuela D’Ávila se solidariza durante ato por Beto Freitas

Obras de autores negros

Para a psicóloga, uma das principais formas de ser antirracista é consumir e estudar autores negros. O historiador senegalês Cheikh Anta Diop, autor da obra A origem africana da civilização, foi citado como uma das principais referências, principalmente por sua pesquisa voltada para as origens da raça humana e a cultura africana pré-colonial. 

“É importante que o intelectual branco saiba que existem intelectuais negros”. Outro ponto chave da conversa foi a indicação de autores mais contemporâneos, como Abdias do Nascimento em O genocídio do negro brasileiro e as obraso de Silvio de Almeida.

Mais para o final do bate-papo, Elisa apresentou a principal diferença entre preconceito e racismo. Enquanto o primeiro é uma atitude subjetiva de pré-julgar o outro, o segundo é um conjunto de mecanismos que não dependem da subjetividade para serem reproduzidos, mas sim de ativos econômicos e sociais. 

A morte de Beto Freitas por um segurança e um policial dentro do Carrefour também entrou na pauta do encontro. Elisa ressaltou que todas as pessoas brancas que se consideram antirracistas deveriam boicotar a loja, uma vez que não é a primeira que o estabelecimento se envolve em ações de violência racial. 

Ela ressalva, no entanto, que “o branco que deseja se engajar nessa luta precisa entender que o protagonismo é do povo preto”.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Confira, na íntegra:

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Beatriz Contelli

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel