Pesquisar
Pesquisar

Em meio a crise em Ceuta, Espanha utiliza procedimento polêmico para devolver mais de 6 mil imigrantes ao Marrocos

O governo do socialista Pedro Sánchez mantém como prioridade a segurança e o controle policial e militar da zona
Armando G. Tejeda
Diálogos do Sul Global
Madri

Tradução:

Ao cair a noite de quarta-feira, polícia e militares espanhóis mobilizados em Ceuta começaram a fazer busca de migrantes de origem marroquina ou da África subsaariana para levá-los a um centro de acolhida, como passo prévio à sua expulsão e repatriação. 

Em menos de três dias são mais de seis mil as pessoas devolvidas pelo polêmico procedimento das “devoluções imediatas”. Além disso, a polícia informou da descoberta do cadáver de um adulto na praia do Tarajal, a segunda vítima mortal desde que na passada segunda-feira as autoridades marroquinas abriram as fronteiras com a Espanha como represália ao seu auxílio sanitário ao líder da Frente Polisario, Brahim Gali. O governo do socialista Pedro Sánchez mantém como prioridade a segurança e o controle policial e militar da zona, tanto das passagens fronteiriças com o Marrocos, sobretudo o do praia do Trajal, como da própria cidade autônoma, em que ainda se calcula que haveria mais de mil migrantes sem documentos. 

O governo do socialista Pedro Sánchez mantém como prioridade a segurança e o controle policial e militar da zona

Reprodução: Twitter
Milhares de migrantes continuam a chegar às fronteiras europeias e as imagens que chegam de Ceuta impressionam e chocam

As redadas noturnas terminaram com a detenção de mais de 800 pessoas, que foram levadas a um centro de retenção à espera de sua expulsão. 

Superados os piores momentos do enfrentamento diplomático entre ambos os países, os governos da Espanha e do Marrocos acordaram a devolução em massa e por grupos de 40 a 50 pessoas. Em menos de 24 horas foram devolvidas até 800 pessoas. 

Mas o que mais preocupa as autoridades espanholas e as da cidade autônoma de Ceuta é o destino de 850 menores de idade que ainda permanecem sob sua tutoria e que em princípio não podem ser repatriados nem deportados. Muitos deles viajaram até Ceuta sem suas famílias, fugindo da pobreza e da fome, e agora não querem voltar de forma alguma.  

O governo espanhol negocia com as 17 comunidades autônomas espanholas uma quota para assumir a tutela dos menores. A maioria se encontra ainda no albergue provisório de Piniers, onde há uns 200, e o restante em um galpão do polígono industrial do Tarajal adjacente à fronteira que separa a Espanha do Marrocos. 

A eles devem se somar as dezenas que estão abandonados, dormindo na rua, com fome e com frio, e os que ainda não foram identificados, nem encontrado um refúgio para eles. 

Apesar da aparente colaboração entre Madri e Rabat na devolução em massa de pessoas, persistem as diferenças. O regime do rei Mohamed VI do Marrocos decidiu que sua embaixadora, Karima Benyaich, chamada para consultas na passada terça-feira, não regresse a Espanha até que termine a crise. 

A chancelaria marroquina advertiu que “a crise durará enquanto continue sua verdadeira causa”. Ou seja, enquanto permaneça na Espanha o líder da Frente Polisario, Brahim Gali, que se recupera em um hospital de Logroño depois de haver estado muito grave com Covid-19. 

A resposta do governo espanhol veio de parte da ministra de Defesa, Margarita Robles, que replicou: “A Espanha não vai aceitar a mínima chantagem nem oquestionamento da integridade territorial. Não vamos aceitar chantagens, a integridade da Espanha não é negociável nem está em jogo e vamos usar todos os meios necessários para garantir a integridade territorial e vigiar as fronteiras”. 

Y abundó en el señalamiento al gobierno marroquí: “No entiendo la finalidad de Marruecos con este chantaje porque con España no van a poder. Marruecos es un vecino y amigo pero tiene que reconsiderar lo que ha hecho. Estoy segura de que la diplomacia marroquí sabrá sacar sus consecuencias”. 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda