Pesquisar
Pesquisar

Em novo ato de intimidação, Bolsonaro recebe ministros do STF acompanhado de militares

Um dos companheiros de Bolsonaro era Braga Netto, que ameaçou que “se não houver voto impresso e auditável em 2022, não haverá eleições”
Jeferson Miola
Pátria Latina

Tradução:

Num gesto dispensável, decerto concebido para ser de cortesia e de ingênuo sinal de distensão, os ministros do STF Edson Fachin e Alexandre Moraes visitaram Bolsonaro para convidá-lo à cerimônia de posse de ambos no Tribunal Superior Eleitoral [TSE].

O convite poderia ter tramitado protocolarmente entre as equipes cerimoniais do Planalto e do TSE, mas os ministros do STF decidiram se predispor a riscos. Mesmo sabendo que o anfitrião tem como estratégia gerar tumulto e caos permanente intimidando o STF e ameaçando desacatar a derrota na eleição de outubro [aqui e aqui].

Fachin e Moraes sabiam que se encontrariam com quem, muito recentemente, e no gozo da mais absoluta impunidade, xingou Moraes de canalha e otário. A respeito de Moraes, aliás, há pouco tempo Bolsonaro chegou a ameaçar: “ou esse ministro se enquadra ou ele pede para sair”.

Um dos companheiros de Bolsonaro era Braga Netto, que ameaçou que “se não houver voto impresso e auditável em 2022, não haverá eleições”

Montagem Diálogos do Sul
Edson Fachin e Alexandre Moraes visitaram Bolsonaro para convidá-lo à cerimônia de posse de ambos no Tribunal Superior Eleitoral [TSE]

Na visita de cortesia dos ministros do STF, Bolsonaro fez a descortesia de estar acompanhado da “junta militar” de governo. Mais precisamente, do comitê central do partido militar.

Nos cerca de 9 minutos de duração da audiência, além de alguns bajuladores contumazes, Bolsonaro esteve acompanhado da cúpula das Forças Armadas e do general-ministro da Defesa Braga Neto – aquele que ameaçou que “se não houver voto impresso e auditável em 2022, não haverá eleições”.

Braga Neto, como mostra a pornográfica liberdade que este conspirador ainda desfruta, a despeito dos atentados perpetrados contra o Estado de Direito, é beneficiário deste ambiente em que “as instituições funcionam normalmente”.

Não há absolutamente nenhuma razão formal e institucional – e, menos ainda, desculpas de atropelo da agenda de um presidente que passa a maior parte do tempo fazendo arruaças –, que possa justificar a presença da cúpula do partido dos generais neste encontro com as autoridades civis responsáveis pelo momento maior da soberania popular, que é a eleição.

Este acontecimento institucional tem múltiplos significados. Nenhum desses sinais, lamentavelmente, parece ser alvissareiro para a democracia.

É preciso reconhecer, em primeiro lugar, que foi um gesto ostensivo de afronta da cúpula militar, que é hoje uma estrutura altamente partidarizada, ao poder civil.

Em segundo lugar, deve-se observar a presunção da cúpula militar em tutelar a democracia, em se apresentar como uma espécie de garante político. Não por acaso, fizeram vazar que, “no encontro, os comandantes militares reiteraram compromisso em garantir a segurança das eleições”.

É de se desconfiar que em nome deste simulacro de “garantia”, o partido dos generais tenha deliberado escalar o general Fernando Azevedo e Silva para a direção-geral do TSE para… cuidar [sic] das eleições…

E, por falar no general Fernando Azevedo e Silva, é preciso recordar que em 2020 ele sobrevoou de helicóptero a Esplanada com Bolsonaro durante os atos que pediam o fechamento do STF e do Congresso. Como ministro da Defesa, Azevedo e Silva escreveu a ordem do dia de 31 de março dizendo que “1964 foi um marco da democracia” [sic].

Foi este general, subitamente e surpreendentemente convertido à democracia, que acompanhou o périplo de Fachin e Moraes nos encontros com os presidentes da Câmara e do Senado.

Não por acaso foram divulgados registros fotográficos dos encontros dos ministros do STF com Lira e Pacheco. Mas não foi publicada, contudo, nenhuma fotografia do encontro “sob continência” no Planalto.

A ausência do general Azevedo e Silva no encontro dos ministros do STF com o partido dos generais foi decidida para evitar [falsos?] constrangimentos, ou foi uma jogada ensaiada dos próprios militares? Esta pergunta é pertinente, porque os militares são super especializados na arte dos simulacros, das dissimulações e das falsas dissidências [aqui].

De qualquer modo, não deixa de ser irônico Fachin e Moraes terem levado o general Fernando Azevedo e Silva a tiracolo no encontro com Lira e Pacheco, mas não no encontro com Bolsonaro.

Os ministros da Suprema Corte programaram se reunir com aquele que deveria expressar a chefia do poder civil, o presidente da República, mas foram recebidos pelo comando militar.

Mas, por outro lado, quando se reuniram com os representantes do poder civil, os ministros da Suprema Corte levaram a tiracolo um general! E não se trata de um general qualquer, mas de um general do Exército que teve papel central na conspiração que alçou Bolsonaro ao poder. Como se percebe, uma ironia e tanto.

Isso é revelador da tragédia política e institucional do Brasil. A cúpula das Forças Armadas, que atua como um comando partidário, está disposta e empenhada em aprofundar a guerra contra a democracia.

Esta é a mensagem que eles mandam ao poder civil e ao país por meio da simbologia do encontro com Fachin e Moraes no gabinete do presidente de direito do Brasil, mas não de fato.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Jeferson Miola

LEIA tAMBÉM

lula-brasil-eleições
Frei Betto | Eleição de outubro é chance de fortalecer progressismo; isso, ou a volta do golpismo
g20-em-quadrinhos-4
G20 em quadrinhos | nº 4: Talento
Lula-Brasil2
Cannabrava | Lula tem que aproveitar sua popularidade e apresentar um projeto nacional
g20-em-quadrinhos-n3
G20 em quadrinhos | nº 3: Vida saudável