Pesquisar
Pesquisar

Em plena quarentena, indicadores de violência doméstica dispararam ao redor do mundo

De fato, este fenômeno revela de maneira indiscutível a falta de solidariedade e consciência humanitária dos entes políticos, judiciais e policiais
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Uma só batida na porta tem o poder de transformar uma sensação de paz e segurança em um ataque de pânico. Assim deve ter sucedido em Quilmes, Argentina, onde de acordo com as revelações de uma juíza de execução penal foi revelada a libertação de 176 violadores em uma prisão dessa localidade. Diante dessa aberração judicial é quase impossível imaginar os sentimentos das vítimas ao ficar sabendo da libertação daqueles que as agrediram mas, além disso, a impotência da população ao se inteirar desse fato tão absurdo e constatar como aqueles que se supunha que deviam garantir um entorno segura em meio à pandemia, ignoraram com tal desprezo a necessidade de proteção de crianças e mulheres em situação de extrema vulnerabilidade e, portanto, abandonadas à própria sorte. 

Em plena quarentena, com estritas restrições de mobilidade e com as instituições do Estado enfocadas em controlar os efeitos da pandemia, dispararam-se ao redor do mundo os indicadores de violência doméstica, em cujo rápido incremento se demonstra a persistência da desigualdade de gênero no gozo dos direitos, mas também a escassa capacidade dos organismos de segurança para dar proteção às potenciais vítimas. De fato, este fenômeno revela de maneira indiscutível a falta de solidariedade e consciência humanitária dos entes políticos, judiciais e policiais cujas decisões deixam crianças e mulheres à mercê de seus agressores, enquanto a eles oferecem garantias de impunidade.

A violência doméstica é uma prática nefasta que permeia a sociedade de ponta a ponta. Graças à aura de permissibilidade auspiciada pelas doutrinas religiosas e pelo sistema patriarcal instaurado a partir dos centros de poder econômico, social e político, as mulheres foram condenadas de maneira tão injusta como perversa a tolerar um esquema de submissão e marginação solapado e cheio de armadilhas morais, erigindo em torno delas e seus filhos toda uma trama de obstáculos para impedi-las – usando para isso de violência extrema – o gozo de seus direitos. 

De fato, este fenômeno revela de maneira indiscutível a falta de solidariedade e consciência humanitária dos entes políticos, judiciais e policiais

Reprodução: pxhere
A violência doméstica aumentou nos lares brasileiros durante a quarentena

O resultado tem sido um muro de obstáculos estabelecido pelo sistema, contra o qual lutam de maneira sustentada movimentos feministas e de direitos humanos cujo trabalho ficou gravado na história da Humanidade. No interior dos lares, no entanto, as possibilidade de defesa e proteção contra as violações sexuais, o maltrato físico, psicológico ou inclusive econômico, topam-se com os estereótipos de gênero gravados a fogo na mente das vítimas, cuja formação as condiciona muitas vezes a aceitar sem discutir a preeminência da autoridade masculina e a submissão absoluta diante de seus ditados. 

A isso contribui de maneira implícita a atitude dos entes institucionais diante das denúncias por violação e agressões, o que mostra de modo brutal a discriminação e a vitimização uma e outra vez durante os processos, nos quais crianças e mulheres agredidas são sujeito de novos e mais severos interrogatórias que seus agressores. Esta atitude, patente nos meios policiais e judiciais, é uma das piores lacras do sistema patriarcal, hoje em absoluta evidência com a libertação de reclusos condenados por violações e agressões no ambiente familiar, com o suposto propósito de protegê-los da pandemia e reduzir a saturação carcerária. 

Uma vez mais, o destino de crianças e mulheres não preocupa as autoridades, convencidas de que o feminicídio e a violência de gênero não são mais que danos colaterais. 

A ameaça por violência doméstica é pior que a contaminação por vírus. 

*Colaboradora de Diálogos dos Sul da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava

Veja também 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda