Pesquisar
Pesquisar

Emprego informal e baixo crescimento do PIB impedem nações da América Latina e Caribe de quitar dívida externa

Dos problemas que impedem as nações da América Latina e do Caribe para avançar, destacam-se a baixa arrecadação tributária e o elevado índice de emprego informal
José Bodes Gómez
Prensa Latina
Havana

Tradução:

Os próximos meses, segundo os especialistas, serão decisivos para os esforços que fazem os países da América Latina e do Caribe em seu afã por salvar suas economias do fatídico não pagamento da dívida pública

Em nível mundial, e pela primeira vez na história, em 2020 o montante dos débitos praticamente igualou o valor total dos bens e serviços acumulados no período.

No que diz respeito à área latino-americana e caribenha, a emissão dos bônus das dívidas governamentais e corporativas superou os 150 000 milhões de dólares nos mercados internacionais.

Ao encerrar-se o último calendário, a dívida regional superou 3,3 bilhões de dólares, enquanto o produto interno bruto (PIB) alcançou 4,2 bilhões, o que foi um sinal positivo em meio à grande crise econômica causada pela pandemia da Covid-19.

Os Governos em todo o mundo, explicam os especialistas, endividaram-se para pagar o gigantesco gasto fiscal realizado para evitar a quebra de numerosas empresas, o aumento do desemprego e a interrupção de prestação de serviços públicos vitais.

Dos problemas que impedem as nações da América Latina e do Caribe para avançar, destacam-se a baixa arrecadação tributária e o elevado índice de emprego informal

Nodal
72% do total da dívida pública corresponde aos Estados sul americanos

A iniciativa do G-20

Diante da gravidade da situação financeira criada em escala global, o Grupo dos 20, formado por igual número de países de alto e médio desenvolvimento, concordou em implementar um programa emergente chamado “Iniciativa de suspensão do serviço da dívida”.

Aprovado no princípio para seis meses de duração, período que foi de maio a outubro de 2020, teve que ser prolongado até a metade deste ano, já que a ajuda às nações de baixa renda para as quais está destinado só chegou a 44 delas.

Uma ampliação desse programa, para incluir os países vulneráveis de renda média, não prosperou no G-20, apesar de ter o aval da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal) e a gestão pessoal de sua secretária executiva, Alicia Bárcena.

Na área, 72% do total da dívida pública corresponde aos Estados sul americanos, encabeçados pelo Brasil, com 930 milhões de dólares no vermelho, e a Argentina, que acumula 336 milhões.

O último caso é extremamente complexo, pois seu anterior presidente, Mauricio Macri (2015-2019), tentou saldar a falta de liquidez em um polêmico acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), que foi o maior (57 000 milhões de dólares) na história desse organismo e cuja negociação é investigada atualmente pelas novas autoridades de Buenos Aires.

O convênio foi muito criticado pelos sindicatos operários e outros setores populares, já que foi aprovado pelos financistas reunidos em Washington com o compromisso da nação do Rio da Prata de que o déficit fiscal seria reduzido a zero em 2019, condição que implicava a supressão de disposições sociais que constituem benefícios para as famílias pobres e de renda média.

Uma recuperação tardia

As previsões para este ano, tanto da Cepal como do FMI, calculam um crescimento do PIB entre 3,7 e 4,1%, respectivamente, concordando ambos organismos em que a economia da região vai demorar dois ou três calendários mais para recuperar o nível que tinha antes da chegada da Covid-19.

Dos grandes problemas que padecem as nações da América Latina e do Caribe para avançar, e sobretudo para enfrentar a dívida externa, destacam-se a baixa arrecadação tributária e o elevado índice de emprego informal.

A renda fiscal na área é apenas 23% do PIB, enquanto a média registrada pelos países com um alto nível de vida e emergentes que integram a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é de 34%.

Quanto ao emprego, os informes de entidades especializadas em matéria social indicam que cerca da metade das pessoas trabalham por conta própria e sem seguros que protejam suas condições de vida.

Uma crise bate à porta

O chefe para América Latina e Caribe do Centro de Desenvolvimento da OCDE, Sebastián Nieto, afirma que, com o propósito de enfrentar o perigo de que alguns Estados da região caiam em uma crise de dívida soberana em 2021, torna-se necessário implementar um diálogo inclusivo, em que interajam os credores públicos e privados, além dos bancos multilaterais.

“No diálogo –explica o especialista–, serão analisadas diferentes opções, como moratórias, alívio da dívida ou acordos especiais para financiar a crise”.

“Se bem os importantes esforços fiscais e monetários realizados pelos países tenham permitido mitigar os efeitos da crise – acrescenta –, as consequências econômicas e sociais da pandemia foram exacerbadas pelos problemas estruturais que a região arrasta historicamente”.

A desigualdade, a escassa cobertura e o insuficiente acesso à proteção social de seus habitantes, além de um limitado espaço fiscal, figuram entre as debilidades estruturais de que há muitas décadas padece a área e dificultam seu desenvolvimento.

A estes problemas somam-se os baixos rendimentos em numerosos itens da produção em geral que, como se viu em 2020, agravam os efeitos da contingência sanitária sobre as economias latino-americanas e caribenhas.

As mencionadas brechas estruturais também provocam dificuldades para implementar políticas que reduzam o impacto da nova enfermidade e que permitam empreender uma reativação que seja ao mesmo tempo sustentável e inclusiva.

Nieto, assim como outros analistas, considera que a dinâmica do crescimento econômico da área em 2021 depende de uma série de fatores que não podem ser previstos com exatidão, como, por exemplo, o risco de novos surtos da Covid-19, a agilidade na elaboração e distribuição das vacinas, assim como a capacidade de manter os estímulos fiscais e monetários para apoiar os centros produtivos e satisfazer o aumento da demanda.

No próximo verão, no hemisfério boreal, o tema do déficit fiscal e da escassa liquidez ocupará uma grande atenção dos meios especializados da América Latina e do Caribe.

E, sem dúvida, não faltará quem lembre os tensos anos da década de 1980, quando a área ficou praticamente paralisada com a crise da dívida externa, que não foi totalmente resolvida.

José Bodes Gómez, da equipe de Prensa Latina

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

José Bodes Gómez

LEIA tAMBÉM

marx-ecologia
Marxismo ecológico: como Marx entendia a relação entre mudança climática e capitalismo?
Putin-Xi (1)
Do comércio à segurança, união China-Rússia ganha força e vira dor de cabeça para Ocidente
crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor