Pesquisar
Pesquisar

Enquanto Haiti vive crise imensurável, EUA deportam crianças e adultos em massa

O Governo haitiano garantiu que receberá todos os seus nacionais e criticou o tratamento que alguns migrantes receberam na fronteira
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Porto Príncipe

Tradução:

As autoridades haitianas esperam mais seis voos de migrantes deportados ontem (20) dos Estados Unidos, com centenas de cidadãos enfrentando o desafio de recomeçar após anos fora do país.

Metade desses voos chegará a Porto Príncipe e o restante à cidade de Cap Haitien, no extremo norte do país, afirmou Jean Négo Bonheur Delva, coordenador do Escritório Nacional de Migração.

Até agora, quase 500 pessoas, muitas delas crianças, chegaram desde que as deportações em massa começaram no último domingo e em um momento em que a crise migratória se aprofunda, mas para alguns, o país de onde partiram não existe mais.

Foto Prensa Latina: Aldo Camino

“Saí do Haiti em 2016 porque não consegui emprego aqui. Pedi dinheiro emprestado, voei para o Brasil para tentar a sorte, mas lá também foi muito difícil, por isso resolvi pedir asilo nos Estados Unidos”, afirma Emmanuel, um das centenas de repatriados que chegaram a esta capital na segunda-feira.

Terremoto no Haiti: Sem campo de refugiados, pessoas estão nos escombros das casas

Com apenas 23 anos, ele esperava que as autoridades de migração finalizassem sua documentação para ir à casa de seus parentes em Leógane, comuna localizada a sudoeste de Porto Príncipe.

'Agora volto quase que saí. Vendi tudo o que tinha no Brasil para chegar aos Estados Unidos numa viagem que me custou mais de cinco mil dólares e tenho que começar do zero. Não sei o que vou fazer', assegurou preocupado a esta agência.

O Governo haitiano garantiu que receberá todos os seus nacionais e criticou o tratamento que alguns migrantes receberam na fronteira

Fotos Prensa Latina: Aldo Camino
Até agora, quase 500 pessoas, muitas delas crianças, chegaram desde que as deportações em massa começaram

O Governo do Haiti garantiu que receberá todos os seus nacionais e criticou o tratamento que alguns migrantes receberam na fronteira entre o México e os Estados Unidos.

Lakay se lakay (O Lar é o lar) disse o primeiro-ministro Ariel Henry no Twitter, e prometeu acompanhar os repatriados.

No entanto, para Jean a situação é muito mais difícil agora do que quando ele partiu para o Chile em 2018, e ele teme por sua segurança e pela impossibilidade de encontrar trabalho para se sustentar.

‘Aqui não tenho mais nada, minha esposa e meu filho ficaram no Chile e eu queria dar-lhes uma oportunidade melhor’, disse à Prensa Latina.

As autoridades estadunidenses devem repatriar mais de 6.000 haitianos nos próximos dias e alertaram que qualquer pessoa que tentar entrar ilegalmente será devolvida a seus países de origem. 

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia