Pesquisar
Pesquisar

Enquanto mortes são registradas todos os dias, Argentina se mantém firme para superar o caos

Os argentinos, que têm garras e sabem se levantar de momentos dolorosos, apelam à solidariedade buscando diminuir o impacto psicológico que o confinamento cria
Maylín Vidal
Prensa Latina
Buenos Aires

Tradução:

Como um tango de lazer ou uma milonga triste, a Argentina vive hoje, como o resto do mundo, dias de desolação, em um isolamento cada vez mais estressante, que alguns lidam com a engenhosidade.
As músicas não são ouvidas nas arquibancadas dos estádios Boca Junior, River Plate ou Racing, para citar alguns, Corrientes Street, a Broadway da América, agora ‘se ele dorme’, em San Telmo as efígies de Mafalda e seus amigos carregam Mascarar e no popular beco Caminito não são sentidos os acordeões, nem o cheiro de assado e vinho tinto.

A pandemia causada pelo Covid-19 fez com que esta cidade e este país, como em todo o planeta, mudassem a vida rotineira de um mundo muito diferente da de um mês atrás, com um pesadelo que parece um confinamento que parece sem fim, com a dor daqueles que perderam um ente querido ou têm um membro da família na longa lista de infectados.

Os argentinos, que têm garras e sabem se levantar de momentos dolorosos, apelam à solidariedade buscando diminuir o impacto psicológico que o confinamento cria

Twitter
A pandemia causada pelo Covid-19 fez com que esta cidade e este país, como em todo o planeta, mudassem a vida rotineira.

Mas os argentinos, que têm garras e sabem se levantar de momentos dolorosos, apelam à solidariedade, juntam-se aos aplausos coletivos todas as noites em homenagem ao pessoal de saúde e segurança e, acima de tudo, administram com vídeos engraçados transmitidos por telefones celulares para animar o amigo, o colega de trabalho e os pais distantes.

O humor em alguns, as ocorrências de outros pelo WhatsApp, Facebook, Instagram ou Twitter e agora o Tik Tok, as redes mais usadas desse lado sulista, vão de ‘tudo’ hoje em dia e talvez tenha sido o melhor incentivo para quem hoje não pode ser visto. Outros tentam a sorte na cozinha, como nunca antes, alguns praticam ioga em casa e ginástica.

Os números doem, como em qualquer outro lugar, no caso deste país que conseguiram conter graças a uma quarentena, prorrogada duas vezes pelo governo em busca de abrandar os casos de contágio, aguardando um possível pico em maio.

Hoje, clubes de futebol e várias instalações são hospitais de emergência, como a imensa Technopolis, a mega-amostra cultural que alguns dias antes da chegada do vírus havia reaberto e agora tem 2.500 leitos prontos para receber possíveis pacientes, – esperançosamente não-, então esta imagem é multiplicada em outros espaços.

Enquanto as mortes são registradas todos os dias, com 115 vítimas e mais de 2.500 casos, do governo a imagem do presidente Alberto Fernández, que, logo que seu governo começou, teve que assumir a liderança na batalha de Covid-19, ele vê todos os dias em várias entrevistas na televisão, em reuniões ou em espaços onde vai pessoalmente.

Buscando diminuir o impacto psicológico que o confinamento cria para muitas, muitas iniciativas para todas as idades são lançadas pelo Executivo, com shows on-line, visitas virtuais a museus e canais com o melhor do cinema nacional.

A isto se acrescenta agora outra iniciativa promovida no dia anterior pelo Ministério Público e pelo próprio presidente, que concordou em desenhar um desenho em homenagem aos que cuidam da saúde dos argentinos.

Convido você a se juntar a nós para que todos possamos ver seu desenho cheio de amor por aqueles que nos protegem (…) sentam-se e desenham para aqueles que merecem todo o nosso reconhecimento, carinho e aplausos e carregam sua imagem com a hashtag #ThanksPorCuidarnos ‘ Fernández enfatiza em um vídeo.

Muitos esperam que essa série ruim de 2020 seja no passado, para que o tango e as milongas possam ser ouvidos novamente, para que a agitação volte mais cedo e mais forte.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Maylín Vidal

LEIA tAMBÉM

Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA
Alvaro-Uribe
Colômbia: Uribe pode ser condenado a 12 anos de prisão em julgamento por suborno e fraude
Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU