Pesquisar
Pesquisar

Enquanto pobreza e violência crescem nos EUA, verba à Ucrânia bate US$ 113 bilhões em 1 ano

Estudos evidenciam que enorme apoio financeiro atribuído por Washington a Kiev ofusca a despesa com "as prioridades internas"
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

Grandes cidades como Detroit, Cleveland, Filadélfia e Los Angeles encontram-se entre as dez “mais necessitadas” nos Estados Unidos, revelou o diário The Hill, tendo por base um relatório realizado pelo portal de finanças WalletHub.

O estudo classificou 182 cidades norte-americanas tendo em conta 28 indicadores econômicos, que incluem pobreza infantil, pobreza, insegurança alimentar, população sem-abrigo, qualidade habitacional, entre outros.

Detroit, onde um em cada cinco inquilinos foi despejado ao longo de 2022, ocupa o primeiro lugar na lista de cidades que precisam de maior ajuda, informa a fonte.

Segue-se a cidade de Brownsville (estado do Texas), onde um quarto da população vive em situação de pobreza, “o dobro da média nacional”, e Cleveland, onde a taxa de pobreza se situa nos 29% (tornando-a, depois de Detroit, a segunda cidade grande mais pobre do país norte-americano).

Patriot: entrega de sistema à Ucrânia agravaria atuação dos EUA na guerra, afirma Rússia

Outras grandes cidades que apareceram nesta lista são Filadélfia (em sétimo lugar e com um registo de 500 homicídios em 2022), Nova Orleães (em oitavo lugar e com a taxa de homicídios mais elevada do país) e Los Angeles, que surge no nono posto. “Apesar de toda a sua riqueza […], mais de 40 mil cidadãos vivem ali nas ruas”, destaca o The Hill.

Outro dado apontado pelo estudo é que cinco cidades partilham o primeiro lugar no que diz respeito à população sem-abrigo: Fresno e São Francisco, na Califórnia; Nova Iorque, Washington D.C. e Honolulu.

Já Gulfport (estado do Mississippi), onde um quarto da população vive em situação de pobreza, é, de acordo com o estudo, a cidade norte-americana com maiores problemas de insegurança alimentar.

Estudos evidenciam que enorme apoio financeiro atribuído por Washington a Kiev ofusca a despesa com "as prioridades internas"

Thomas Hawk – Flickr

Ajuda de Joe Biden à Ucrânia é mais do que qualquer país do mundo gasta em despesas militares, com exceção de EUA e China




A Ucrânia recebe mais fundos federais que 40 estados do país

Um texto divulgado há uma semana pelo Quincy Institute for Responsible Statecraft alerta que o enorme apoio financeiro atribuído pelos Estados Unidos à Ucrânia ofusca a despesa com “as prioridades internas”.

Os autores do texto afirmam que Washington já tinha atribuído 68 bilhões de dólares a Kiev, a qual se soma à “ajuda” mais recente aprovada pelo Congresso, no valor de 45 bilhões, elevando para mais de 113 bilhões de dólares a despesa dos EUA com a Ucrânia desde o início da guerra.

Com permanente envio de armas pela Otan, destino da Ucrânia é virar novo Afeganistão

Os autores referem-se a esta verba como “dinheiro dos contribuintes norte-americanos” e, para ajudar a contextualizar o seu valor, afirmam que, se a Ucrânia fosse um estado do país, seria o 11.º em termos de fundos federais que recebe, segundo os próprios dados do governo sobre a despesa.

“Em outras palavras, nos últimos 12 meses, a Ucrânia recebeu mais dólares dos contribuintes norte-americanos que 40 estados dos EUA”, afirmam.

Ainda sobre a verba, o texto afirma que a ajuda dada pela administração de Joe Biden à Ucrânia é mais do que qualquer país do mundo gasta em despesas militares, com exceção dos Estados Unidos e da China.

Os 113 bilhões de dólares de ajuda à Ucrânia – refere ainda o texto – são quase tanto quanto o que a Lei atribui para despesa de referência ao Departamento de Estado e ao Departamento de Segurança Nacional juntos, e pouco menos que os 118,7 bilhões de dólares que os EUA devem gastar em cuidados médicos com todos os veteranos militares.

Redação | AbrilAbril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Pedro Sánchez Apresenta Plano de Regeneração Democrática no Congresso Espanhol
Pedro Sánchez apresenta ações contra fake news enquanto lei mordaça segue em pauta
Afeganistão: os talibãs avançam rumo ao reconhecimento internacional
Talibãs no Afeganistão ampliam cooperação e avançam para ganhar legitimidade internacional
Republicanos atraem voto latino para Trump em meio a ataques a imigrantes
Republicanos prometem 50% do voto latino enquanto líderes atacam imigração ilegal na convenção
China e Rússia iniciam manobras militares conjuntas em resposta à expansão da OTAN
Manobras militares China Rússia são uma resposta à expansão da Otan na Ásia