Pesquisar
Pesquisar

Entre PEC Emergencial e negacionismo, Brasil preferiu rejeitar Karol Conká, a Karabá do BBB

Incapazes de subir hashtags como #VacinaParaTodesPeloSUS, a plateia brinda o país com a maior rejeição pública de todos os tempos
Douglas Belchior
Geledés
São Paulo (SP)

Tradução:

A atuação daquela eleita vilã de reality que, em contexto de pandemia e ausência de novelas frescas, ocupou o vácuo e protagonizou o equivalente ao que seria uma final de novela das nove, mobilizou mais ódio e ação pública das massas, da minha comunidade e de famosos, do que os promotores do escárnio e da barbárie em Brasília. A audiência e o debate nas redes justificam os milionários patrocínios. E o gozo com o esquartejamento público de uma pessoa, “coincidentemente” preta, “coincidentemente” mulher, e “pelos defeitos dela, por culpa tão somente dela”, alimenta o fetiche racista coletivo.

Incapazes de subir ao trend topics uma hashtag de conteúdo obsceno tal como #VacinaParaTodesPeloSUS ou #AuxilioEmergencial600reais, a plateia brinda o país com a maior rejeição pública de todos os tempos.

Não. Não é a rejeição pública de Bolsonaro. Aliás, na arquibancada se juntam bolsonaristas e esquerdopatas, machistas e desconstruídos, intelectuais e analfabetos, todos com um ódio em comum. Tampouco se trata da rejeição da proposta de entrega das vacinas ao domínio privado dos ricos. E também não é rejeição à proposta de acabar com o piso mínimo de gastos com educação e saúde. NÃO! É a rejeição de alguém que se parece mais comigo, com minha irmã, com minha mãe, do que com aqueles que decidem nosso necro-destino. É a rejeição de alguém bem parecida com Karabá, a feiticeira má da história de Kiriku.

Incapazes de subir hashtags como #VacinaParaTodesPeloSUS, a plateia brinda o país com a maior rejeição pública de todos os tempos

Divulgação TV Globo
A audiência e o debate nas redes justificam os milionários patrocínios do Big Brother Brasil.

A lenda de Kiriku nos ensina tanto! Karabá é má. E todos a temem e a odeiam. Ela é má porque faz maldades. E faz mesmo. Você conhece alguém que nunca fez? Mas tem algo além disso. Ela vive com um espinho cravado num lugar inatingível da coluna vertebral. Espinho cravado pela violência do mundo, por homens maus. Ela não tem amigos para ajudá-la. Devolve sua dor em forma de ódio ao mundo. E Kiriku a liberta, arrancando com os dentes o espinho venenoso. Senso de comunidade, respeito, alteridade e tolerância, valores tão presentes em Kiriku e que andam tão em falta entre nós.

Mas vamos lá, eliminamos mais um, achando que não é com a gente.

De minha parte, só desejo que a vilã que o Brasil elegeu, que não é de novela e tem uma vida real, uma família, uma criança aqui fora, possa encontrar paz e um Kiriku em sua vida.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Douglas Belchior

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio