Pesquisar
Pesquisar

Equador: força democrática rechaça violência policial a candidata da oposição à Presidência

Em 13 de junho, Luisa González foi atacada pela Polícia Nacional com gás lacrimogêneo quando tentava ingressar no CNE para formalizar candidatura
Leonardo Wexell Severo

Tradução:

O ataque com gás lacrimogêneo feito pela Polícia à líder oposicionista Luisa González quando tentava ingressar, nesta terça-feira (13), junto com apoiadores na sede do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador, em Quito, para formalizar sua candidatura à Presidência, foi prontamente rechaçado pelas forças democráticas do país.

“Imediatamente o CNE deu toda a atenção necessária e os primeiros socorros. Esperamos que estes acontecimentos que mancham uma festa democrática não voltem a ocorrer”, declarou a presidente do Conselho Eleitoral, Diana Atamaint, em coletiva à imprensa.

Continua após o banner

Ao lado de Luisa González e Andrés Arauz, candidatos do movimento Revolução Cidadã (RC) à presidência e à vice, Diana reiterou que lamentava “uma vez mais tais acontecimentos” e que as eleições do próximo 20 de agosto – que incluem as 137 vagas da Assembleia Nacional – serão realizadas com respeito e vigilância.

“Eles jogaram gás em nossos rostos, como podem ver. Meu rosto está vermelho, queimado pelo gás que foi jogado em nossos olhos, em nossos rostos”, afirmou González, ressaltando que a pele não dói “porque a vestimos de convicção e pátria”. “Hoje viemos aqui inscrever a voz dos sem voz, a voz de quem, apesar de falar, nunca foi ouvido”, acrescentou.

A presidente da Confederação de Organizações Sindicais Livres do Equador (Ceosl) e dirigente da Federação Unitária dos Trabalhadores (FUT), Marcela Arellano Villa, considerou “deplorável a postura da Polícia Nacional que, sob as ordens do presidente Guillermo Lasso, agrediu a candidata e seus acompanhantes”. “O ambiente festivo e de efervescência da inscrição”, analisou, “foi comprometido pelo comportamento de policiais altamente corrompidos, que levaram até o CNE o atual clima de perseguição e criminalização dos movimentos populares, das lideranças sociais e políticas”.

Em 13 de junho, Luisa González foi atacada pela Polícia Nacional com gás lacrimogêneo quando tentava ingressar no CNE para formalizar candidatura

Reprodução/Instagram
Polícia reconheceu que “foi utilizado de forma progressiva e indireta um agente químico" contra Luisa González

Infelizmente, assinalou Marcela Arellano, o que vigora no país é a “prática da repressão neoliberal”, acobertada por amplos setores da mídia, que calaram a respeito do ocorrido. “Isso favorece o recente decreto de Lasso que, sob a alegação de combater o crime, dá carta branca para os policiais matarem e é altamente questionável por expor inocentes e aumentar a criminalização e a violência”, ponderou.

Ex-candidato a presidente em 2021 e ex-ministro de Rafael Correa, Andrés Arauz defendeu que “a festa democrática se faça em paz, com regras do jogo claras, sem que comecemos esta luta com ataques contra nós”. O economista disse esperar que as autoridades se corrijam e que os “responsáveis por este ato irresponsável que manchou a inauguração dessa jornada sejam rapidamente encontrados”.

Expressando sua solidariedade diante do “infeliz ataque sofrido” por Luisa, Arauz frisou que, a partir de agora, a Revolução Cidadã oferecerá ao Equador “mais democracia e mais oportunidades” para o povo.

Para a presidenta da RC e prefeita de Guayas, Marcela Aguiñaga, é inadmissível o covarde ato praticado por integrantes da Polícia Nacional “que jogaram gás lacrimogêneo direto nos olhos”. “Queremos uma democracia com boas condições, com jogadores prontos e cumprindo todas as regras, mas também com um árbitro imparcial”, asseverou Aguiñaga, recordando que os policiais também precisarão agir para garantir a segurança “de todos e cada um dos nossos candidatos”. “Eles não vão nos parar, somos mais fortes do que se pensa. Mas aqui estamos, combativos, fortes, com energia. Com Andrés, com Luisa já se recuperando”, sublinhou.

A presidenta do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) equatoriano, Diana Atamaint, ao centro, na coletiva com Luisa González e Andrés Arauz, candidatos do movimento Revolução Cidadã à presidência e à vice (Foto: RC)

No final do dia a Polícia reconheceu que “foi utilizado de forma progressiva e indireta um agente químico (spray não letal), de forma a proteger a segurança e a ordem pública”, “para garantir a entrada ordenada e evitar maiores danos”, “devido à comoção e ao comportamento negativo de um conglomerado com uma atitude hostil”.

É a mesma Polícia de um governo que após 18 dias de um levante popular dirigido pela Confederação Nacional das Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie), em junho do ano passado, cometeu “crimes contra a humanidade”, asseguram observadores internacionais e organizações de direitos humanos. Uma repressão que deixou mortos, feridos, detenções arbitrárias, “tormentos, tratamentos cruéis e degradantes”.

As eleições serão realizadas como um mandato tampão para completar o período 2021-2025, interrompido pela “morte cruzada” decretada em maio pelo presidente. A opção “nada mais é do que um decreto de fuga, uma forma que Lasso encontrou de se evadir do julgamento político, pois seria destituído”, denunciou Arauz, já que ao mesmo tempo lhe garante mais alguns meses no poder, uma vez que o parlamento aprovaria sua destituição.

Caso haja necessidade de um segundo turno presidencial, será realizado em 14 de outubro entre os dois candidatos mais votados.

Leonardo Wexell Severo | Diálogos do Sul


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Leonardo Wexell Severo

LEIA tAMBÉM

Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina
Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025