Pesquisar
Pesquisar

Equador: frente progressista de Rafael Correa resiste a atentados e vence eleições regionais

Ex-presidente e partido Revolução Cidadã (RC), liderado por ele, tiveram vitórias importantes mesmo em locais considerados redutos da direita
Redação Rede Brasil Atual
Rede Brasil Atual
São Paulo (SP)

Tradução:

Mesmo sem participar diretamente das eleições regionais no Equador, neste domingo (5), o ex-presidente Rafael Correa e aliados venceram as disputas mais importantes no país. Desse modo, impondo dura derrota ao atual chefe de governo, Guillermo Lasso. Mesmo em locais considerados redutos da direita, Correa e o partido Revolução Cidadã (RC), liderado por ele, tiveram vitórias importantes.

No violento processo eleitoral, candidatos e militantes foram assassinados. O candidato a prefeito pela cidade equatoriana de Puerto López, Omar Menéndez, 41 anos, foi assassinado a tiros no sábado (4). Menéndez vinha sendo cotado pela Revolução Cidadã para disputar a presidência em 2025. Horas depois, Carlos González, de apenas 16 anos, que havia sido ferido no mesmo atentado, também morreu.

“Estilo autoritário de Lasso começa a ter contradições ao entregar Equador ao capital estrangeiro”

A União pela Esperança, frente de centro-esquerda liderada por Correa que saiu vitoriosa, reúne diversos partidos e organizações sociais e indígenas. A além de também incorporar o chamado “centro democrático”.

A maioria dos equatorianos rejeitou oito propostas sobre segurança pública do atual governo. De acordo com as projeções, a oposição elegeu representantes para prefeituras e regiões mais populosas do país.

A aliança progressista de Correa ganhou as quatro disputas consideradas mais importantes nas eleições de domingo. São as prefeituras de Quito e Guayaquil e as províncias de Pichincha (que abrange a região metropolitana de Quito) e Guayas, as mais populosas do país.

Dessas quatro vitórias do “correísmo”, apenas Pichincha já estava em poder da RC. Com a reeleição da governadora Paola Pabón, a centro-esquerda se manteve no governo.

Ex-presidente e partido Revolução Cidadã (RC), liderado por ele, tiveram vitórias importantes mesmo em locais considerados redutos da direita

Rede Brasil Atual
Há dois anos, o Equador passou por momento muito parecido com o vivido pelo Brasil da operação Lava Jato




“Tentativa desesperada do governo”

Em sua conta no Twitter, Rafael Correa critica o fato de o resultado oficial ainda não ter sido divulgado. “A inexplicável demora nos resultados de Guayas e Pichincha é uma tentativa desesperada do Governo de reverter a mais importante e dolorosa derrota: o 8 vezes NÃO à sua consulta enganosa”, escreveu. “Saia com alguma decência”, disse ainda.

Uma das propostas rejeitadas pela população do Equador nessas eleições regionais possibilitaria uma reforma constitucional para permitir a extradição de cidadãos equatorianos sentenciados por narcotráfico a outros países.

Como se pode supor, essa entrega de traficantes de drogas para outras nações seria um retrocesso na soberania e um “agrado” aos Estados Unidos, já adotado pela Colômbia.

Outra rejeição foi ao texto que ampliava a autonomia de investigação da polícia. Essas propostas só entrariam em vigor após serem aprovadas no Legislativo.


A Lava Jato equatoriana

Há dois anos, o Equador passou por momento muito parecido com o vivido pelo Brasil da operação Lava Jato. Ofensivas judiciais e midiáticas foram usadas como fachada institucional desconstruir a democracia do país.

Rafael Correa e aliados foram perseguidos e o ex-presidente foi condenado a oito anos de prisão. Por isso, está exilado na Bélgica.

Redação | Rede Brasil Atual


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Rede Brasil Atual

LEIA tAMBÉM

Lopez-Obrador-Claudia-Sheinbaum (2)
Eleições no México: sob legado de Obrador, esquerda caminha para vitória com Claudia Sheinbaum
Cópia de DIREITA TERÁ FORÇA PARA DERROTAR CONSTITUIÇÃO(124)
Roberto Requião: Saí do PT porque adotaram liberalismo econômico do Guedes
Luis Abinader
Política de Abinader contra refugiados do Haiti é contradição que ameaça economia dominicana
Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito