Pesquisar
Pesquisar

Equador: onda de violência e assassinato de prefeito são resultado da omissão de Lasso

Insegurança não dá trégua aos equatorianos que vivem dias sangrentos, com tiroteios e assassinatos e dezenas de mortos e feridos em várias províncias
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Quito

Tradução:

Atentados com explosivos, tiroteios e motins carcerários sacodem o Equador em consequência da espiral de violência sem precedentes em que está submerso o país, a menos de um mês das eleições gerais antecipadas.

Em Esmeraldas, que viveu na última terça-feira (25) uma jornada de caos nas ruas e em uma de suas prisões, o Comitê Provincial de Segurança anunciou medidas ante os eventos violentos cometidos por bandos de delinquentes depois da intervenção estatal no sistema penitenciário nacional.

ComunicaSul arrecada fundos para cobrir eleições no Equador; faça parte dessa história

Entre elas estão a proteção militar a subestações elétricas, a suspensão de atividades docentes presenciais e de simulacros para enfrentar o fenômeno climático El Niño, recomendações de teletrabalho e cancelamento das festividades pela independência da província.

Os incidentes em Esmeraldas ocorreram no quarto dia consecutivo de motins na Penitenciária do Litoral, localizada na província de Guayas, onde os motins deixaram 31 réus mortos e 14 feridos.

Continua após o banner

Em outras cadeias houve mais de cem uniformizados sequestrados, libertados horas depois, e reclusos em greve de fome em 13 prisões, um contexto que levou à declaração de estado de exceção por 60 dias em todas as prisões em escala nacional “por grave comoção interna”.

Insegurança não dá trégua aos equatorianos que vivem dias sangrentos, com tiroteios e assassinatos e dezenas de mortos e feridos em várias províncias

Reprodução/Twitter
Equador sofre com delinquência comum, violência política e uma crise carcerária que j´´a deixou quase 500 presos mortos

Estado de exceção

O presidente equatoriano, Guillermo Lasso, também decretou estado de exceção com toque de recolher nas províncias de Manabí e Los Ríos, assim como no município de Durán, em Guayas, uma determinação criticada, porque já a tomou em mais de 10 ocasiões sem resultados efetivos.

A escalada de violência ocorreu também depois de que em 23 de julho foi assassinado a tiros o prefeito de Manta, Agustín Intriago, de 38 anos, um fato que comoveu toda a nação e expôs, uma vez mais, a violência política.

Equador: força democrática rechaça violência policial a candidata da oposição à Presidência

Em 16 de julho, foi morto em Esmeraldas o membro do movimento Revolução Cidadã Rider Sánchez, que aspirava ao legislativo nas eleições de 20 de agosto próximo.

Esta situação não é inédita, pois na campanha prévia às eleições provinciais e municipais de 5 de fevereiro último, uma dezena de candidatos sofreram ataques, sendo que dois deles foram assassinados.

Continua após o banner

Em resumo, esta nação sul-americana sofre a delinquência comum, a violência política, a crise carcerária que deixou quase 500 presos mortos, e as consequências nas ruas das disputas das gangues do narcotráfico.

Dados oficiais indicam que o Equador encerrou 2022 com 4.823 homicídios intencionais, com uma taxa de mais de 25 por cada 100 mil habitantes, cifra mais alta da história, e estimativas indicam que em 2023 este número poderá chegar a 40 assassinatos por cada 100 mil pessoas.

Assassinato de prefeito estremece o Equador

Centenas de pessoas acompanharam em 24 de julho na cidade equatoriana de Manta o caixão do prefeito Agustín Intriago, cujo assassinato estremeceu a nação andina em meio à crescente onda de insegurança e violência política.

A multitudinária peregrinação ocorreu como parte da despedida do funcionário que foi baleado na véspera, com apenas 38 anos, enquanto candidatos presidenciais expressam seu pesar pelo ocorrido; alguns deles suspenderam suas atividades de campanha.

Ligado ao governo, narcotráfico leva massacre a cadeias por disputa de poder no Equador

Otto Sonnenholzner, Jan Topic e Yaku Pérez anunciaram que fariam uma pausa momentânea em suas atividades proselitistas prévias às eleições de 20 de agosto depois do crime contra Intriago.

A aspirante à chefia do Executivo pelo movimento Revolução Cidadã, Luisa González, manifestou condolências à família do prefeito e aos habitantes de Manta, renovando seu apelo a combater a insegurança e devolver a paz aos equatorianos. Enquanto isso, aumentam as críticas ao Governo por não responder com ações efetivas à crise de segurança no território nacional.

Continua após o banner

7 políticos assassinados

O caso de Intriago é um dos sete políticos assassinados no último ano no país, entre eles o candidato a deputado Rider Sánchez. A professora e especialista em temas de segurança, Carla Álvarez, afirmou que o ocorrido com o prefeito de Manta é mais um indicador da ineficiência da gestão do Executivo.

Continua após o banner

Em uma entrevista com a emissora local Rádio Pichincha, Álvarez referiu-se à importância de investimentos para estimular uma política de segurança efetiva e exortou os atuais candidatos presidenciais a divulgar as ações imediatas que realizarão, como e quanto gastarão para mitigar a violência.

A insegurança não dá trégua aos equatorianos que vivem dias sangrentos, com tiroteios e assassinatos e dezenas de mortos e feridos em várias províncias.

Continua após o banner

O Governo atribui a situação ao auge do narcotráfico e às disputas de gangues criminosas pelo controle do tráfico de drogas.

Redação Prensa Latina
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

mapuche-carabineros
2 anos de estado de exceção na terra mapuche: "É muito chocante. Nos tratam como terroristas"
Macron - Nova Caledônia3
Revolta na Nova Caledônia: por que França tentou golpe e insiste em controlar arquipélago?
Venezuela-acordo (3)
Acordo de respeito às eleições entre Maduro e oposição é marco histórico para Venezuela
Rússia-Coreia-do-Norte2
Putin: Aliança com Coreia do Norte não deve preocupar, a menos que um de nós seja atacado