Pesquisar
Pesquisar
Foto: Prensa Comunitaria

“Eram como o próprio demônio”: Guatemala ouve vítimas de massacre operado por militares em 1982

Depoimentos acontecem no âmbito do julgamento de Benedicto Lucas, à época chefe do Estado-Maior do Exército
Regina Pérez
Prensa Comunitaria
Cidade da Guatemala

Tradução:

Ana Corbisier

A justiça da Guatemala começou a ouvir os relatos das vítimas de violência sexual perpetradas por militares. Os depoimentos acontecem no âmbito do julgamento, iniciado em 5 de abril, de Benedicto Lucas, à época chefe do Estado-Maior do Exército.

“Isso nunca será esquecido por mim, mesmo quando eu morrer, essas memórias irão comigo”, foram as palavras de uma sobrevivente de violência sexual que testemunhou perante o Tribunal de Maior Risco A. Ela tinha 8 anos quando os soldados chegaram à sua aldeia, em 16 de fevereiro de 1982, mataram a população e abusaram sexualmente dela e de outra menina um pouco mais velha.

Os nomes das vítimas não foram revelados na audiência para proteger sua identidade. Um biombo também foi colocado ao redor das depoentes para preservar seu anonimato.

Antes da audiência, defensores dos direitos humanos e sobreviventes do conflito armado, que acompanham o julgamento, reuniram-se em frente à Torre de Tribunais, onde participaram mulheres Ixiles, para invocar boas energias para aquele dia.

A primeira vítima a testemunhar lembrou que vivia com uma de suas irmãs mais velhas, a quem ajudava a cuidar do bebê e com tarefas como buscar água. Naquele dia, os soldados chegaram por volta das 11 horas da manhã. Ela viu os helicópteros voarem no céu, mas nunca imaginou que os soldados iriam matar as pessoas. “Era como ver abutres no céu”, lembrou.

Por volta das 2 da tarde, começaram a cair as bombas. Quando viram isso, ela saiu com sua irmã para se abrigar atrás de alguns arbustos para se esconder, mas quando os helicópteros pousaram, o vento sacudiu os arbustos, então elas voltaram para uma cabana onde várias mulheres estavam refugiadas.

Ato na parte de fora da Torre do Tribunal para acompanhar sobreviventes de violência sexual (Foto: Prensa Comunitaria)

Os homens não estavam presentes, pois haviam saído para trabalhar. “Eu disse para minha irmã que fugíssemos, mas ela disse que não podia porque tinha as meninas, ficamos desesperadas, já não sabíamos o que fazer, minha irmã me disse que, de qualquer forma, a morte ia chegar”, ela contou.

A sobrevivente relatou que outra menina, um pouco mais velha que ela, a encorajou a fugir da cabana e a pegou pela mão. Quando os soldados perceberam, começaram a assobiar e insinuar coisas. “Nós fugimos, não sei se corri ou o que fiz porque começaram a disparar contra nós, não sei como saí de lá porque foi um desespero e eu estava com muito medo”, ela disse.

Foi assim que conseguiu escapar e chegou à margem de um rio e se jogou na água. No entanto, não se afastou muito. Fugindo, a noite caiu sobre eles, mas ela já não se importava com o que aconteceu.

Por volta das 10 da noite, ouviram as pessoas começarem a gritar e aí ela percebeu que estavam perto do vilarejo. Então viram os soldados se aproximando, eles estavam com lanternas e mochilas. “Nós vimos, eram soldados que passaram”, disse.

“Eram como o próprio demônio”

As meninas passaram a noite na selva e quando amanheceu, ela percebeu que estava encharcada e não estava usando seu cinto, uma parte de sua vestimenta com a qual ela amarra o corte na cintura. Também estava com muita fome, então ela disse para a outra sobrevivente que fossem às cabanas procurar algo para comer. Ela estava com tanta fome que estava chorando.

Um dia depois, em 17 de fevereiro, por volta das 9 da manhã, elas seguiram em direção ao rio e viram uma cabana perto do rio onde encontraram dois ovos de galinha. “Nós comemos ovos crus porque estávamos com muita fome”, ela relatou.

As meninas se dirigiram a uma das cabanas e perceberam que havia um monte de pessoas reunidas, as quais viram de uma fenda. Mas quando entraram, viram que as pessoas estavam penduradas, tinham diferentes ferimentos, algumas tinham as mãos cortadas, o pescoço cortado, “não era uma reunião, eram pessoas mortas”, testemunhou.

As mulheres Ixil participam de invocação fora dos Tribunais onde se declaram vítimas de violência sexual (Foto: Prensa Comunitaria)

Depois de ver essa cena, ele perdeu o apetite. Ele não conseguia mais pensar em comer e começou a procurar por sua irmã, a quem encontrou atrás do cadáver de outra mulher que também estava pendurada.

Ele disse que seu pai já tinha sido morto quando os soldados desceram dos helicópteros. Uma das cenas que descreveu foi que em uma cabana encontrou uma menina morta em cima de um fogão, de barriga para baixo, e a irmã da menina estava em uma cesta decapitada. “Os soldados a decapitaram ou os cachorros arrancaram sua cabeça”, relatou.

Depois começaram a procurar a mãe da outra menina, mas não a encontraram. Em sua busca, perceberam que os soldados ainda vigiavam os cadáveres das pessoas que haviam massacrado. Embora tentassem correr e fugiram em direção ao rio, foram encontradas lá. “Praticamente nos entregamos”, declarou.

Os soldados perguntaram por que estavam fugindo. “Nós estávamos com muito medo, era como se a presença do próprio demônio estivesse naquele lugar. Porque os soldados já haviam feito tudo isso (o massacre), estávamos tremendo de medo porque era uma situação de terror”, descreveu.

Então foram amarradas e disseram a um dos soldados para vigiá-las enquanto eles iam queimar algumas cabanas. Nesse momento, os membros das forças armadas as agrediram. “O medo era indescritível, vi quando começaram a violentar a outra menina, eu sabia que a qualquer momento a mesma coisa aconteceria comigo”, declarou.

Quando abusaram sexualmente dela, ela ficou inconsciente, a ponto de acreditar que os soldados pensaram que a tinham matado. “Foi uma coisa horrível”, indicou. Disse que só se lembra do primeiro soldado. “Cada vez que o lembro, fico triste, isso nunca vai sair da minha memória, porque acredito que mesmo quando eu morrer, essas lembranças irão comigo”, afirmou.

Sobreviventes

Elas foram deixadas amarradas e com os olhos vendados. Uma pessoa chamada Jacinto, que estava procurando por seus filhos, as encontrou. Ela descreveu como um milagre encontrá-las. Com tudo o que lhe aconteceu, seu corpo estava todo inchado. Jacinto ficou assustado quando a viu porque não sabia o que fazer com ela.

O promotor do Ministério Público (MP) interrompeu o relato para esclarecer que a vítima permaneceu amarrada junto com sua amiga por quatro dias e que o senhor só as encontrou em 20 de fevereiro de 1982. A pessoa que as resgatou as banhava com água quente e procurava por plantas medicinais. “E foi graças a ele que estou viva”, declarou.

A identidade das mulheres que prestaram depoimento foi preservada e elas foram protegidas com uma tela (Foto: Prensa Comunitaria)

Demorou muito para ele se recuperar. Ele vivia com dores e toda vez que andava começava a sangrar.

“Por isso venho declarar os fatos e para que vocês me escutem” foi seu pedido ao Tribunal.

A violência sexual faz parte da acusação no crime de deveres contra a humanidade contra o ex-chefe do Estado-Maior do Exército, Benedicto Lucas García, também acusado de genocídio e desaparecimento forçado.

O Equipo de Estudios Comunitarios y Acción Psicosocial (ECAP) indicou em um comunicado que durante o conflito armado o exército usou a violência sexual contra meninas e mulheres como estratégia de guerra, para humilhar e demonstrar poder sobre os homens suspeitos de estarem envolvidos com a guerrilha, para destruir as mulheres e, através delas, as comunidades.

“Durante muitos anos, as mulheres viveram em silêncio e as consequências físicas, psicológicas e sociais persistem”, afirmou o ECAP, reconhecendo o fato de que mulheres Ixiles decidiram prestar depoimento neste julgamento.

Prensa Comunitaria


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Regina Pérez Jornalista e comunicadora com raízes na cultura maia K'iche'.

LEIA tAMBÉM

Francia-Márquez-Colômbia
O que se sabe sobre atentado contra pai de Francia Márquez, vice-presidenta da Colômbia
dina-boluarte-peru (1)
Autoritarismo, impunidade, corrupção: Boluarte conduz Peru à catástrofe
Lançamento-livro-palestina4
Livro “Genocídio Isola Israel: Desafio é Criar o Estado da Palestina” é relançado nesta quinta (20), em SP
argentina-repressao-milei2
Milei infiltra agentes e manda espancar, prender e acusar manifestantes de terrorismo