Pesquisar
Pesquisar

Erundina | Impeachment de Bolsonaro deve ser prioridade da Câmara dos Deputados

Candidata a presidente da Câmara Federal, deputada defende o impeachment de Bolsonaro e a prorrogação do auxílio emergencial
Luiza Erundina
São Paulo (SP)

Tradução:

O Brasil enfrenta, desde 2020, uma grave crise sanitária e socioeconômica, sem precedente na sua história. Por força da pandemia da Covid-19 e principalmente, da política negacionista e genocida de Jair Bolsonaro, o país já supera o trágico patamar de 215 mil mortos. A par disso, a agenda econômica ultraliberal capitaneada pelo ministro Paulo Guedes que promove ataques aos direitos dos trabalhadores, privatizações e terceirizações generalizadas, que comprimem salários e enfraquecem a capacidade de organização da classe trabalhadora. Uma lógica que aumenta dramaticamente o já terrível fosso social que separa os privilegiados e os excluídos. É nesse cenário, portanto, que ocorrerá a eleição da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados no dia primeiro de fevereiro próximo, instituição essa que tem sido cúmplice de muitas das medidas que resultaram no contexto difícil que experimentamos.

O PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), com seu histórico de lutas em defesa do povo brasileiro e em sintonia com os movimentos sociais e as entidades da sociedade civil organizada, decidiu lançar candidatura própria para presidência da Câmara para ter a oportunidade de mostrar o caráter anti-povo das demais candidaturas colocadas, bem como, ser porta-voz das propostas da esquerda na inserção política e administrativa da Câmara dos Deputados no próximo biênio.

Ao aceitar a missão a mim atribuída pelo meu partido, assumo, consequentemente, uma candidatura que não é fruto de um projeto pessoal, mas sim um anseio da militância partidária e de vários segmentos da sociedade civil organizada. Trata-se de uma candidatura comprometida essencialmente com as causas populares e com os reais interesses do povo brasileiro.

Candidata a presidente da Câmara Federal, deputada defende o impeachment de Bolsonaro e a prorrogação do auxílio emergencial

Luiza Erundina (Psol-SP)
Luiza Erundina (Psol-SP) disputará a presidência da Câmara em votação marcada para 1º de fevereiro

Nosso programa se referencia na defesa intransigente das liberdades democráticas; nas lutas dos setores historicamente oprimidos; na defesa do meio ambiente; e na defesa de um novo modelo econômico para o Brasil, que se contraponha à regra do teto de gastos, cujos impactos afetam, de modo imediato e irreversível, as populações mais vulneráveis: os trabalhadores, em especial as mulheres, os negros e negras, os mais pobres e a população LGBTQI+.

Destacaria, ainda, como sendo uma das prioridades do nosso mandato, iniciar o processo de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Tal medida deve ser o primeiro e prioritário compromisso do novo presidente da Câmara dos Deputados, uma vez que o país não logrará qualquer estabilidade política e econômica sem abrir mão do impedimento do presidente genocida.

Não restam dúvidas sobre o caráter perverso e irresponsável do governo Bolsonaro; sua permanência no cargo constitui uma ameaça à saúde e à vida de milhões de brasileiras e brasileiros. O governo emite todos os sinais de que pretende se aproveitar do agravamento da crise social para criar um ambiente tumultuado para tentar um autogolpe com apoio de parte das Forças Armadas e dos milicianos – segmento com o qual sempre manteve relações estreitas. Bolsonaro é uma ameaça às instituições do Estado Democrático de Direito e, por conseguinte, uma ameaça à própria democracia.

Sob a presidência do PSOL, a Câmara também estará empenhada na vacinação imediata e em massa da população brasileira. O país conta, neste momento, com pouco mais de 10 milhões de doses de imunizantes, o que é absolutamente insuficiente para nossa população. Enquanto outros países no mundo já iniciaram o processo de imunização de suas populações, o Brasil suporta as consequências de manter à frente do Poder Executivo um conjunto de pessoas desprovidas das mais elementares qualificações e um presidente que em momento algum se mostrou minimamente preparado para o cargo. Desse modo, é dever da Câmara dos Deputados exercer uma postura ativa de fiscalização do Poder Executivo, com vistas à defesa da vida dos brasileiros, valendo-se de todos os instrumentos de que disponha para que seja assegurada testagem em massa e vacina para todos já!

Além disso, é necessário que aconteça a prorrogação em caráter permanente do auxílio emergencial, garantindo, assim, para cada brasileiro e brasileira, uma renda mínima para sobreviver. O fim do auxílio emergencial representa um verdadeiro crime contra os mais vulneráveis.

Vacina Já! Impeachment do Presidente! Renda Justa! Além de dinamizar a economia e abrir novos postos de trabalho; geração de renda e combate à pobreza. São essas as bases da nossa candidatura para disputar a presidência da Câmara dos Deputados. A íntegra do nosso manifesto, com as 20 principais propostas, pode ser acessada no endereço: https://psol50.org.br/erundina/

Luiza Erundina é Deputada Federal pelo Psol-Sp


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Luiza Erundina

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização