Pesquisar
Pesquisar

"Escondido" em Abu Dabi por escândalos de corrupção, Juan Carlos I visita Espanha

Rei emérito e ex-chefe do Estado chegou na localidade galega de Sanxenxo para participar de um torneio marítimo de regatas
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

O rei emérito da Espanha, Juan Carlos I de Borbón, iniciou uma nova visita na Espanha, a segunda em três anos, desde que decidiu transferir sua residência a Abu Dabi, capital dos Emirados Árabes, diante da quantidade de investigações judiciais abertas contra ele no país espanhol, na Suíça e no Reino Unido, a maioria por presumidas fraudes fiscais.

Continua após o banner

O ex-chefe do Estado chegou na localidade galega de Sanxenxo para participar de um torneio marítimo de regatas. A classe política teve reação diversas à sua chegada; o governo do socialista Pedro Sánchez se mostrou distante, a direita a favor e a esquerda arremeteu contra a visita, ao qualificá-la de “vergonha”. 

O rei emérito aterrissou no aeroporto da cidade de Vigo em um luxuoso avião privado, um Bombardier Global 5000, operado pela Royal Jet LLC, um grupo de empresas de propriedade e operação de Abu Dhabi. Se presume que é propriedade de um de seus amigos naquele país, que o ex-monarca costuma utilizar em seus deslocamentos. 

Juan Carlos I não deu declarações aos meios de comunicação, se deslocou de automóvel à casa de um amigo em Sanxenxo e alí permaneceu durante a tarde. Não se tinha previsto algum encontro com seu filho e atual monarca, Felipe VI, com o qual mantém uma relação distante desde sua partida aos Emirados Árabes e os escândalos de corrupção. 

Antes de pisar em território espanhol, o ex-monarca teve uma breve estância em Londres, onde assistiu a uma partida de futebol da Liga de Campeões, entre o Real Madrid e o Chelsea. A Casa Real britânica informou que durante sua estada não se produziu nenhum encontro com o rei Carlos III da Inglaterra, que é seu primo. 

Este regresso ao solo europeu vem precedido pelo arquivamento da maior parte dos processos judiciais abertos contra ele na Suíça, na Espanha e no Reino Unido. Só fica pendente um que ainda é investigado em um tribunal de Londres sobre o presumido assédio e espionagem contra sua ex-amante, a princesa alemã Corinna Larsen.

Armando G. Tejeda | La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes