Pesquisar
Pesquisar

Espanha: Esquerda separatista basca volta a lamentar pelas vítimas do grupo ETA

“Queremos dizer-lhes de coração que sentimos enormemente seu sofrimento e nos comprometemos a tratar de mitigá-lo na medida de nossas possibilidades”
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Pela segunda vez, em menos de um ano, a esquerda separatista Basca expressou seu pesar pela esteira de dor que deixou o histórico conflito basco, com especial ênfase nas vítimas e seus familiares dos atentados perpetrados pela organização armada Euskadi Ta Askatasuna (ETA). 

Mertxe Aizpurua, a deputada no Congresso de EH-Bildu, coalizão que congrega a esquerda abertzale, afirmou no início de sua intervenção no marco do Debate do estado da nação: “Queremos dizer-lhes de coração que sentimos enormemente seu sofrimento e nos comprometemos a tratar de mitigá-lo na medida de nossas possibilidades”. 

“Queremos dizer-lhes de coração que sentimos enormemente seu sofrimento e nos comprometemos a tratar de mitigá-lo na medida de nossas possibilidades”

Wikipedia
Esquerda separatista renova pesar pelas vítimas das ações do ETA

Nas últimas duas semanas tem estado muito presente no debate público a figura das vítimas do ETA, sobretudo porque foram cumpridos dois aniversários muito simbólicos: o da libertação do funcionário de prisões José Ortega Lara, após um sequestro de 532 dias em mãos de um comando do ETA; e o do assassinato de Miguel Ángel Blanco, ex-vereador do Partido Popular em Ermua. Ambos os fatos, que cumpriram 25 anos, marcaram a história recente da Espanha. 

Aizpurua seguiu a caminho que marcou em outubro do ano passado Arnaldo Otegi, o qual expressou “o pesar” e a “dor” que sentia a esquerda abertzale pelas ações armadas do ETA. Estas palavras de reconciliação nunca haviam sido pronunciadas pelos deputados da esquerda basca na sede do Parlamento espanhol, por isso a importância do que expressou a deputada vascaína. 

Aizpurua advertiu que “sabemos que nada do que digamos pode desfazer o dano causado, mas estamos convencidos de que é possível pelo menos aliviá-lo a partir do respeito, da consideração e da memória de todas as vítimas”. Também inaugurou o advento da “República vasca”, que suporá a ruptura “de uma vez com o regime de 78”, em alusão ao ano no qual se aprovou por referendo a Constituição espanhola vigente e se consolidou o atual modelo de monarquia parlamentar fragmentado em autonomias.

“A Espanha, como Estado, continua sendo uma democracia de escassa qualidade”, pelo qual faz falta uma “transição real e profunda que possa realmente acercar a Espanha aos padrões democráticos do século XXI e romper amarras com as inércias herdadas da ditadura”, assegurou a deputada vasca.

Armando G. Tejeda é correspondente do La Jornada em Madri.
Tradução de Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina