Pesquisar
Pesquisar

Especialistas alertam: Irã é alvo de guerra híbrida por não se subordinar ao imperialismo

Segundo o jornalista Sebastião Salgado, país é "extremamente aberto" e não há ali os índices de violência contra as mulheres que existem na América Latina
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Teerã

Tradução:

Especialistas conhecedores da realidade do Irã debateram, no último sábado (10), as ações de guerra híbrida aplicadas ao país durante um fórum aberto, denominado Maratona Midiática Pela Verdade.

O Irã é vítima de uma “guerra híbrida” lançada pelo Ocidente, porque se nega a subordinar-se ao imperialismo e luta pela multipolaridade, concordaram vários analistas convocados via internet por diversos meios de comunicação anti-hegemônicos.

Assista na TV Diálogos do Sul

HispanTV, Al Mayadeen em espanhol, Europa por Cuba e Comunisul iniciaram uma campanha, chamada “Maratona Midiática: Irã pela Verdade”, destinada a combater a desinformação sobre a realidade dos distúrbios no Irã, difundindo com precisão o que está acontecendo.

Desde setembro, o Irã tornou-se cenário de violência de rua depois do falecimento de Mahsa Amini, uma jovem iraniana de 22 anos, que perdeu a vida em um hospital dias depois de ser presa e cair no salão para onde fora convocada para uma palestra cívica.

A mídia ocidental e anti-iraniana pôs em prática uma campanha de mentiras e desinformação em grande escala sobre o sucedido, de modo que nas últimas semanas, vândalos, apoiados pelos países ocidentais, aproveitaram o incidente para praticar arruaças.

Entre as ações de rua provocadas pela incitação do ocidente, houve atentados contra a ordem pública, distúrbios e agressões contra as forças de segurança iranianas.

Segundo o jornalista Sebastião Salgado, país é "extremamente aberto" e não há ali os índices de violência contra as mulheres que existem na América Latina

Akbar Nemati – Unsplash

Jaime Yoan Batista: Mídia ocidental está mostrando é o Irã como um "país virtual", não um "país real"




Tertúlias pela verdade

A mídia Tertúlias na Quarentena convocou um evento ao vivo no YouTube com a participação de Jaime Yoan Batista, apresentador do HispanTV, junto a diversos analistas internacionais, entre eles Iñaki Gil de San Vicente, Pablo Jofré Leal e Nicola Hadwa.

Outros dos oradores foram Ángel Rafael Tortolero Leal, o xeique Abdul Karim Paz, Ermelinde Malcotte, Sebastião Salgado, Firas Al Charani, Daniel Seixo, María Fernanda Barreto e Txema Sánchez.

Irã: Não vamos negociar pacto nuclear sob ameaças e chantagens dos EUA

“Há uma arremetida imperialista contra um país que se negou a subordinar-se ao imperialismo, que construiu um processo revolucionário de acordo com sua cultura”, afirmou a pesquisadora María Fernanda Barreto.

A especialista ressaltou que não se deve cair na “armadilha” sobre o que acontece no Irã neste momento quanto à situação da mulher, já que o país persa é objeto da mídia dominante por ser um “baluarte da luta anti-imperialista e também da luta multicêntrica e multipolar”.


Um outro Irã

Enquanto isso, o jornalista Sebastião Salgado descreveu o Irã como um “país extremamente aberto”, reconhecendo que não existem ali os índices de violência contra as mulheres que existem na América Latina.

Ainda, sobre a taxa de profissionais, lembrou que, na República Islâmica, há nas universidades mais mulheres profissionais do que homens.

Outra das vozes foi Jaime Yoan Batista, com sua experiência de viver no Irã por cinco anos; regressou ao país há um mês e também desmente as notícias publicadas pela mídia ocidental sobre a situação atual.

“Vinha com a cabeça cheia das notícias publicadas pelo Ocidente”, mas esta capital é “uma cidade tranquila, que está vivendo seu cotidiano”, expôs o apresentador da HispanTV.

Juntos, Rússia, China e Irã tornam OCX um sério obstáculo ao jogo geoeconômico ocidental

Ele considera ainda que o que a mídia ocidental está mostrando é o Irã como um “país virtual”, não um “país real”, e é preciso vir para dar-se conta do que verdadeiramente está ocorrendo.

“Eu me sinto tão livre, tão à vontade como se estivesse em casa, como se estivesse caminhando pelas ruas de Havana, que é também uma cidade muito tranquila”, afirmou.

Na opinião do comunicador, há muitos preconceitos sobre o Irã e recomendou ir a este país para que todos possam ver que está tão normal como qualquer outra nação do globo.

Redação | Prensa Latina
Tradução: Ana Corbisier.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso