Pesquisar
Pesquisar

Esperançar América Latina: campanha resgata legado de Paulo Freire próximo a centenário

O desafio da Campanha e das celebrações do centenário do patrono da educação brasileira é reinventar a pedagogia libertadora e transformadora de Paulo Freire
Selvino Heck
Sul 21
Porto Alegre (RS)

Tradução:

Anos 1960: tempos de esperançar, e tempos terríveis. Depois da experiência de alfabetização em Angicos, Rio Grande do Norte, 1963, do lançamento do Programa Nacional de Alfabetização do governo federal, 1964, Paulo Freire à frente do Programa, acontece o golpe militar de 1964: fim da liberdade e da democracia, prisões, assassinatos, exílio. O educador Paulo Freire é preso e, libertado, vai para um longo exílio.

Anos 2020: tempos de esperançar, e tempos terríveis. O neofascismo está aliado ao ultraneoliberalismo no Brasil e na América Latina, democracia ameaçada mais uma vez.

Paulo Freire, declarado Patrono da Educação Brasileira em 2014, corre o risco, simbolicamente, de novamente ser preso e de ter que se exilar. O atual Presidente da República exalta publicamente o golpe de 1964 e a ditadura militar.

Neste contexto e conjuntura, o CEAAL – Conselho de Educação Popular da América Latina e Caribe, cujo primeiro presidente foi Paulo Freire, lança a Campanha Latino-americana e Caribenha em Defesa do Legado de Paulo Freire. E em 19 de setembro de 2020, abrem-se, dentro das atividades da Campanha, as comemorações do centenário de Paulo Freire, que faria, ou fará, 100 anos em 19 de setembro de 2021.

O desafio da Campanha e das celebrações do centenário do patrono da educação brasileira é reinventar a pedagogia libertadora e transformadora de Paulo Freire

Instituto Paulo Freire
Paulo Freire não será mais preso. Paulo Freire não irá de novo para o exílio. Paulo Freire vive!

Pedagogia libertadora

A pedagogia de Paulo Freire é libertadora. Ela parte sempre da realidade onde as pessoas vivem, convivem. Ação-reflexão-ação. Prática-teoria-prática. Reflete-se sobre a ação para acontecer uma nova ação, mais transformadora. Parte-se de uma prática, teoriza-se sobre ela, para construir novas práticas, mais transformadoras.

Por isso, é uma pedagogia conscientizadora, que transforma o mundo, aponta para o sonho, a utopia. Não é esperar as coisas acontecerem. É esperançar na ação de transformação social, econômica, ambiental, cultural, de cuidado com a Casa Comum.

É tempo de esperançar na América Latina de Che, de Carolina de Jesus, de Casaldáliga, de Allende, de Sepé Tiaraju, de Frida Kahlo, de Zumbi, de Frei Tito, de Margarida Alves, de Darcy Ribeiro, de Florestan Fernandes, de Violeta Parra, de Celso Furtado, de Dorcelina Folador, de Eduardo Galeano, de Fidel, de Domitila, de Sandino, de Celia Sanchez, de Tiago de Mello, de Dandara dos Palmares, de Pablo Neruda, de tantas educadoras, tantos educadores, revolucionárias, revolucionários, lutadoras e lutadores da liberdade, da justiça, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia.

Sem medo de amar

Paulo Freire escreveu: “Eu sou um intelectual que não tem medo de ser amoroso. Amo as gentes e amo o mundo. E é porque amo as pessoas e amo o mundo, que eu brigo para que a justiça social se implante antes da caridade.”

Quando, décadas atrás, surgiu a ideia de criar um Instituto Paulo Freire, para preservar sua obra e espalhar sua pedagogia, perguntaram-lhe se ele aprovava a ideia e a proposta. Paulo Freire respondeu: “Se é para me repetir, não criem. Mas se for para me superar e me reinventar cada dia, tem todo meu apoio.”

É o desafio da Campanha Latino-americana e Caribenha em Defesa do Legado de Paulo Freire e das celebrações do seu centenário, de 19 de setembro de 2020 até 19 de setembro de 2021: reinventar a pedagogia libertadora e transformadora de Paulo Freire.

Centenário do Patrono da Educação Brasileira

Todas e todos convidadas/os: 19 de setembro de 2020, 19h, na página do CEAAL nas redes sociais, iniciam as celebrações do centenário com um ato político-cultural, com participação de Oscar Jara, Nita Freire, Frei Betto, Rosa Zuniga, Pedro Pontual, entre outras e outros convidadas e convidados.

1 ano para reinventar Paulo Freire. 1 ano para ler e reler a Pedagogia do Oprimido. 1 ano de Educação como Prática da Liberdade. 1 ano de Pedagogia da Autonomia. 1 ano de Pedagogia da Indignação. 1 ano para escrever Cartas Pedagógicas à la Paulo Freire. 1 ano de ESPERANÇAR.

Paulo Freire não será mais preso. Paulo Freire não irá de novo para o exílio. Paulo Freire vive!

Selvino Heckfoi Deputado estadual constituinte do Rio Grande do Sul (1987-1990). Membro de CEAAL Brasil.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Selvino Heck

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda