Pesquisar
Pesquisar

Esquerda Organizada realiza reunião no Sindicato dos Químicos em São Paulo

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Esquerda OrganizadaA “Esquerda Organizada” – grupo formado por partidos, sindicatos e movimentos sociais -, realiza nesta terça feira (02), às 19 horas, no Sindicato dos Químicos em São Paulo reunião para definir o caráter das ações unitárias previstas para acontecer no próximo dia 11 de julho durante à Jornada Nacional de Luta e Paralização.

Já estão confirmadas a participação na Jornada de praticamente todo o movimento sindical e popular do campo e da cidade que em reuniões anteriores concensuaram uma plataforma unitária de lutas com os seguintes pontos:

Reforma política e realização de um plebiscito popular; 

Reforma urbana; 

Democratização dos meios de comunicação.

Além destes pontos será encaminhado aos Govêrnos Federal, Estaduais e Municipais e ao Congresso Nacional proposta de agenda política com as seguintes “exigências”:

10% para a Educação;

Melhoria nas condições de Saúde;

Redução da jornada de trabalho para 40 horas;

Transporte público de qualidade;

Contra a PEC 4330 (terceirização);

Contra os leilões do petróleo;

Pela Reforma Agrária;

Pelo fim do fator previdenciário.    

Finalmente, a pauta unitária pede providências em relação as seguintes denúncias:

O genocídio da juventude negra e dos povos indígenas;

A repressão e a criminalização das lutas e dos movimentos sociais;

A impunidade dos torturadores da ditadura;

A possibilidade de aprovação do estatuto do nascituro;

A possibilidade de aprovação do projeto “Cura Gay”;

A possibilidade de aprovação da redução da maioridade penal.

As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei