Pesquisar
Pesquisar

Estado brasileiro é responsável pelas mortes de Bruno e Dom, aponta Câmara dos Deputados

Relatório mostra ainda como região do Vale do Javari está tomada pelo tráfico de drogas internacional, a pesca e o garimpo ilegal
Vivianny Matos
Amazônia Real

Tradução:

O relatório final da Comissão Externa da Câmara dos Deputados, apresentado na última quarta-feira (30), responsabiliza o Estado brasileiro por não se fazer presente no Vale do Javari, no Amazonas, que está tomado pelo tráfico de drogas internacional, a pesca e o garimpo ilegal. Em 5 de junho, o indigenista Bruno Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips foram brutalmente assassinados na região, caso que ganhou repercussão mundial e chamou a atenção para a inexistência do poder público na proteção dos povos indígenas.

Segundo o relatório, é necessária, e de forma imediata, a criação e implementação de um Plano Emergencial para Ações de Proteção Territorial no Vale do Javari. O documento mostra como a região está tomada pelo tráfico de drogas internacional, a pesca e o garimpo ilegal, o que causa um sentimento de insegurança para os ribeirinhos e indígenas que vivem na área. Um grupo de parlamentares da comissão visitou o Vale do Javari, onde teve conversas com a população.

O relatório, apresentado pela deputada federal Vivi Reis (Psol/PA), foi produzido em parceria com o Senado. Dividido em seis partes, ele apresenta um resumo sobre um aprofundamento das investigações, alertando as ações que devem ser tomadas para evitar novas “tragédias anunciadas”, como afirmou a parlamentar. No dia 25 deste mês, a deputada havia apresentado o relatório aos familiares e entidades da sociedade civil, que fizeram contribuições e que já foram incluídas no texto final.

10 questões não respondidas pelo MPF em denúncia sobre assassinato de Bruno e Dom

Além dos fatos circunstanciais sobre os assassinatos de Bruno e Dom, o relatório também cita a morte do indigenista Maxciel Pereira dos Santos, em setembro de 2019, que continua impune. Para a construção do documento, foram ouvidos indígenas, indigenistas, parentes das vítimas, servidores da Funai e outras autoridades, além da realização de visitas técnicas em Atalaia do Norte, região que fica próxima à fronteira com o Peru.

Relatório mostra ainda como região do Vale do Javari está tomada pelo tráfico de drogas internacional, a pesca e o garimpo ilegal

Foto: Roberto Stuckert Filho/Gab. Senador Humberto Costa
"É urgente tomar medidas de proteção para os indígenas, servidores e representantes de entidades indigenistas locais", aponta o relatório

O documento, aprovado pelos presentes na sessão do Congresso para que as diligências sejam providenciadas, contradiz “o discurso inicial de autoridades governamentais”, que afirmavam que os crimes foram praticados por pescadores de menor porte, tratando-se de um caso isolado. O relatório afirma que os delitos na região “envolvem uma rede milionária interligada à pesca ilegal e a outros delitos praticados no território indígena”, conforme a própria Amazônia Real noticiou à época.

A Justiça Federal marcou para os dias 22, 23 e 24 de janeiro as audiências de instrução e julgamento dos três acusados, Amarildo da Costa Oliveira (o “Pelado”) – assassino confesso das vítimas –, seu irmão, Oseney da Costa Oliveira (o “Dos Santos”), e Jefferson da Silva Lima (o “Pelado da Dinha”). O Ministério Público Federal acusa o trio por duplo homicídio qualificado e ocultação dos cadáveres de Bruno e Dom. Segundo as investigações da Polícia Federal, há uma atuação criminosa e armada de ribeirinhos das comunidades São Gabriel e São Rafael, localizadas às margens do rio Itacoaí, no município de Atalaia do Norte, na divisa com a Terra Indígena (TI) Vale do Javari. Esse grupo seria responsável por invasões e pesca predatória de pirarucus e tracajás na TI Vale do Javari – crimes que foram denunciados por Bruno Pereira e que fez dele um alvo dos criminosos.

O documento final da Comissão Externa da Câmara dos Deputados defende a criação de um plano emergencial de proteção aos povos indígenas e ribeirinhos do Vale do Javari, no Amazonas (Foto: Alberto César Araújo/Amazônia Real).



Tragédia anunciada

A deputada Vivi Reis na leitura do Relatório (Foto: Agência Câmara)

Para Vivi Reis, as autoridades públicas sabem das atividades ilegais e mesmo assim, pouco ou nada fazem para evitá-las. “Infelizmente, é mais uma tragédia anunciada na Amazônia e, se nada for feito, outras tragédias irão ocorrer. É urgente tomar medidas de proteção para os indígenas, servidores e representantes de entidades indigenistas locais, da mesma forma, que é preciso concluir as investigações e, após o devido processo criminal, responsabilizar os executores, os mandantes e os financiadores”, afirma.

Cannabrava | Assassinato de Dom, Bruno e 2 Guarani Kaiowá é parte do genocídio brasileiro

O relatório traz uma cronologia das investigações sobre os fatos, até culminar com os assassinatos de Bruno e Dom. Ressalta, por exemplo, a exoneração, sem nenhuma razão administrativa, do indigenista na época em que era servidor da Funai. A própria Fundação reconhece que Bruno Pereira colaborava em defesa dos povos indígenas e do meio ambiente.

Por fim, o relatório recomenda a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para continuar a apuração dos fatos e também que o documento seja levado à equipe de transição do governo do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. Mesmo que às vésperas do fim do mandato de Jair Bolsonaro, o documento faz a indicação para o Ministério da Justiça pela substituição imediata do presidente da Funai, Marcelo Augusto Xavier da Silva. Outras duas recomendações são a adoção de medidas urgentes de combate à criminalidade no Vale do Javari e o convite para que o Ministério das Relações Exteriores atue também nas investigações.

Relatório entregue hoje pela Comissão da Câmara (Foto: Ascom Vivi Reis)

Vivianny Matos | Amazônia Real


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Vivianny Matos

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização