Pesquisar
Pesquisar

Estado de exceção no Equador dá margem para presidente reprimir juventude e protestos

Nos últimos meses, o país vivenciou um grande crescimento da violência; há várias semanas, acontecem protestos protagonizados por diversos setores
Rafael Freire
A Verdade
Recife

Tradução:

A título de “combate ao crime”, o banqueiro e presidente do Equador Gillermo Lasso decretou estado de exceção, no último dia 18. Ele alega a “grave comoção interna” e o “aumento dos delitos violentos” para justificar tal medida. O decreto vale para todo o país e prevê especialmente a mobilização das Forças Armadas, em coordenação com a Polícia, em nove províncias: todas as províncias da costa, além de Pichincha (onde está a capital, Quito) e Sucumbíos, na região amazônica, fronteira com a Colômbia.

Nos últimos meses, o Equador vivenciou um grande crescimento da violência. Houve enfrentamentos armados entre gangues nos centros penitenciários, que terminaram em massacres. O mais recente ocorreu no fim de setembro no presídio de Guayaquil, onde morreram 119 presos. A taxa de homicídios cresceu de 6,88 por cem mil habitantes, em 2019, para 7,84 por cem mil habitantes, em 2020, e agora para 10,62 por cem mil habitantes, neste ano.

O pano de fundo deste cenário de violência é o agravamento das condições de vida do povo equatoriano e as contradições interburguesas em torno do controle do aparelho de Estado.

Nos últimos meses, o país vivenciou um grande crescimento da violência; há várias semanas, acontecem protestos protagonizados por diversos setores

Winkiemedia
O presidente do Equador Guillermo Alberto Santiago Lasso Mendoza

Há várias semanas, acontecem protestos no Equador protagonizados por diversos setores: camponeses médios e pobres, particularmente produtores de arroz, milho e leite, que exigem preços justos e uma política de crédito favorável; o magistério organizou uma greve de fome que saiu vitoriosa; os trabalhadores e vários setores populares exigem que se ponha fim à elevação mensal no preço dos combustíveis; pacientes dos hospitais públicos e da seguridade social reclamam por medicamentos porque esses centros não contam nem com 30% da lista de medicamentos básicos (e agora se unem a essa exigência os profissionais da saúde); os estudantes demandam por mudanças no sistema de acesso às universidades, que exclui da educação superior mais de meio milhão de estudantes.

Em postagem nas redes digitais, a JRE (Juventude Revolucionária do Equador) apontou que “este decreto de Lasso dá sinal verde às milícias e aos militares para reprimir a juventude e o povo inconformado que saem às ruas para lutar, além de anunciar a Unidade de Defesa Legal da Força Pública, para proteger policiais por eventuais abusos”.

Mais lidas
Ilusão neoliberal de independência contribui para servidão jamais vista, diz psicanalista

Presidente também ameaça dissolver o Parlamento

Hoje, o cenário político do Equador é complexo, caracterizado pelo conflito entre os poderes executivo e legislativo. Recentemente, a Assembleia Nacional devolveu ao presidente a proposta de previsão orçamentária e a chamada Lei de Criação de Oportunidades, que condensa uma série de medidas e regulações de ordem neoliberal, orientadas à flexibilização trabalhista, ao estabelecimento de uma reforma tributária que beneficia os grandes empresários, golpeia os setores médios e ainda pretende privatizar empresas estatais.

Lasso então ameaçou lançar mão da chamada “morte cruzada”, a dissolução do parlamento e a imediata convocação de eleições parlamentares e presidenciais, pois calcula que sairia favorecido numa nova eleição.

As contradições se intensificaram com o aparecimento do nome de Guillermo Lasso no caso Pandora Papers. Lasso tentou explicar e negar qualquer tipo de infração legal cometida a respeito da presença de sua fortuna em paraísos fiscais, mas cresce o sentimento de indignação de que, enquanto o presidente guarda seu dinheiro no estrangeiro para evitar o pagamento de impostos, implanta medidas para aumentar as cobranças sobre a população equatoriana.

*Com informações do jornal En Marcha (Equador)


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Rafael Freire

LEIA tAMBÉM

Francia-Márquez-Colômbia
O que se sabe sobre atentado contra pai de Francia Márquez, vice-presidenta da Colômbia
dina-boluarte-peru (1)
Autoritarismo, impunidade, corrupção: Boluarte conduz Peru à catástrofe
Lançamento-livro-palestina4
Livro “Genocídio Isola Israel: Desafio é Criar o Estado da Palestina” é relançado nesta quinta (20), em SP
argentina-repressao-milei2
Milei infiltra agentes e manda espancar, prender e acusar manifestantes de terrorismo