Pesquisar
Pesquisar

"Estados Unidos tentam reformatar a América Latina na sua medida", diz ministro russo

Rússia está pronta para uma cooperação frutífera com sócios latino-americanos no fortalecimento do regime de não proliferação atômica
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Moscou

Tradução:

O ministro russo de Assuntos Exteriores, Serguei Lavrov, disse que as tentativas dos Estados Unidos de reformatar o panorama político da América Latina “na sua medida” são motivo de grande preocupação, como informou Sputnik.

A agência de notícias russa reproduziu declarações de Lavrov para o Instituto Nacional de Informação do Suriname nas quais assegurou que a região da América Latina e do Caribe está agora sob forte pressão.

Considerou que “as tentativas dos Estados Unidos de reformatar o panorama político da América Latina na sua medida, no espírito da revivida doutrina Monroe, causam uma grande preocupação”.

O chefe da diplomacia russa apontou que “Washington arrogou-se o direito, baseado em suas próprias interpretações, de usar a força onde quer derrubar Governos que, entre outras razões, não lhe satisfazem”.

Lavrov sublinhou a posição de Moscou contra tais ações por parte da Casa Branca, as quais “socavam os alicerces da segurança e da estabilidade regionais”.

Indicou que esta política “conduz à polarização das sociedades latino-americanas” e “vai contra a proclamação da América Latina e o Caribe como zona de paz”, aprovada na II Cúpula da CELAC, em janeiro de 2014, em Havana.

Rússia está pronta para uma cooperação frutífera com sócios latino-americanos no fortalecimento do regime de não proliferação atômica

Wikimedia Commons
EUA quer reviver a Doutrina Monroe

Segundo o ministro de Exteriores russo, Moscou advoga por uma América Latina politicamente unificada e economicamente sustentável.

“Nosso objetivo é trabalhar junto a todos que compartilham nossos enfoques para manter a paz e a estabilidade na região da América Latina e do Caribe”.

Manifestou que o Tratado sobre a Proibição das Armas Nucleares na América Latina e no Caribe (Tratado de Tlatelolco) “continua sendo de primeira necessidade. É o primeiro documento legal internacional que proclama toda uma região livre de armas nucleares”.

Lavrov disse que seu país está pronto para uma cooperação frutífera com sócios latino-americanos no fortalecimento do regime de não proliferação atômica.

El ministro reiterou o interesse de Moscou por potencializar a cooperação com a Comunidade do Caribe (Caricom), o organismo regional que agrupa hoje 12 Estados-membros e cinco associados.

“Nosso objetivo é incrementar a cooperação com esta região em assuntos prioritários”, explicou.

Em tal sentido chamou a atenção sobre áreas como a ajuda ao desenvolvimento sustentável e a mitigação dos desastres naturais; a formação de pessoal para os serviços diplomáticos, de segurança e emergências dos países do Caribe.

Também na ampliação dos intercâmbios educativos, turísticos, culturais, humanitários e esportivos, e na implementação de iniciativas econômicas conjuntas.

*Tradução: Beatriz Cannabrava

**Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"