Pesquisar
Pesquisar

"Estou morrendo aos poucos", diz Assange, preso irregularmente no Reino Unido

Detido no começo de 2019, Assange foi sequestrado da embaixada equatoriana por um crime passível de prisão por um ano; temor é por extradição para os EUA
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

O jornalista e amigo de Assange, Vaughan Smith, teria recebido o telefonema do ativista e fundador do Wikileaks na véspera de Natal.

“Acho que ele queria alguns minutos para escapar” da sua realidade na prisão, disse o colega de Assange, acrescentando que seu amigo soava irreconhecível na ligação telefônica.

Mas, a ligação não foi nem um pouco alegre. Smith conta que Assange tem dificuldade em falar e que a deterioração de sua condição ficou evidente durante a conversa.

Detido no começo de 2019, Assange foi sequestrado da embaixada equatoriana por um crime passível de prisão por um ano; temor é por extradição para os EUA

Matt Dunham
Julian Assange fundador do Wikileaks

Ele me disse: “Estou morrendo aos poucos aqui'”, contou Smith à RT.

Smith disse suspeitar que seu colega estava sedado, apesar de Assange não ter dito isso expressamente durante a conversa.

“Ele falava enrolado e devagar. O Julian é uma pessoa muito articulada, que se expressa muito claramente. E ele soava péssimo… foi muito triste ouvi-lo”, relatou seu colega.

Para Smith, “era bastante óbvio” que Assange estava sobre efeito de medicação, acrescentando que outras pessoas que visitaram o ativista tiveram a mesma impressão.

De fato, Smith não é a primeira pessoa a suspeitar que Assange é sedado na prisão. No entanto, as autoridades britânicas se recusam a divulgar informações sobre eventual medicação prescrita a Assange, se limitando a garantir que “não estão destratando” o ativista.Ação de apoio a Julian Assange em Londres / Foto: Justin Griffiths-Williams 

Considerando que ele é “mantido em solitária 23 horas por dia”, e que pedidos de médicos para examiná-lo são reiteradamente negados, Smith diz ser difícil acreditar nas garantias das autoridades.

Smith, que comemorou o Natal com Assange em 2010, lembrou que “ele foi uma companhia maravilhosa”, mas que o homem que conversou com ele ao telefone “parecia outra pessoa”.

“Eu não consigo entender nem o motivo pelo qual ele está na prisão de Belmarsh. Ele está em prisão preventiva, apesar de não representar nenhuma ameaça à sociedade”, argumentou. 

Belmarsh é uma prisão destinada a presos de alta periculosidade, que normalmente recebe assassinos e terroristas. Assange não atende a nenhuma dessas categorias e foi preso inicialmente por uma infração considerada menor: não se apresentar ao tribunal após ter sido liberado sob fiança. Mesmo assim, foi colocado em uma prisão de segurança máxima, onde aguarda julgamento relativo à extradição para os Estados Unidos da América. 

Para Smith, o sistema penal britânico se vinga de um ativista que teve a audácia de divulgar a verdade sobre a conduta de países poderosos. 

“O que está acontecendo com Assange é muito mais uma vingança e procurar usá-lo como exemplo, para dissuadir outras pessoas de responsabilizar os EUA pelos seus atos”, disse Smith. 

Smith lembrou a importância de pressionar as autoridades britânicas para que forneçam informações acerca do tratamento dispensado a Assange na prisão. 

“[Assange] propôs um debate sobre como deve ser a transparência na era digital. O debate foi reprimido e nunca pôde ocorrer de fato. Ao invés disso, ele virou réu. É por isso que ele está em Belmarsh”. 

Smith lembra que Assange está preso “de uma forma ou de outra” desde que se refugiou na Embaixada do Equador em Londres, em 2012. 

“Nós temos que questionar mais. Julian está com a sua liberdade cerceada por mais de uma década. É uma desgraça. Ele merece mais do que isso”, concluiu. 

Julian Assange foi preso pelas autoridades britânicas em abril de 2019, após o Equador ter rescindido o seu status de asilado políticoJulian Assange é preso após ter seus status de asilado político revogado pelo Equador, em abril de 2019 foto: Sputnik / Ruptly

Com o aval do governo equatoriano, a polícia britânica entrou na embaixada e prendeu o fundador do site WikiLeaks, acusado de ter violado as condições de liberdade sob fiança no Reino Unido em 2012, crime passível de pena de um ano de prisão.

O jornalista havia buscado asilo na Embaixada do Equador para evitar a extradição aos Estados Unidos, que o acusam de ter publicado ilegalmente documentos confidenciais. O jornalista alega que pode ser sentenciado a prisão perpétua pela Justiça norte-americana.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

netanyahu
Impunidade de Israel ameaça credibilidade da Justiça Internacional
Ebrahim_Raisi (1)
Palestina estava no topo das prioridades de Ebrahim Raisi, ex-presidente do Irã
milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional