Pesquisar
Pesquisar

Estudo aponta que, para meninas e mulheres jovens, educação foi área mais afetada pela Covid em 2020

O acesso limitado à tecnologia, o apoio insuficiente das escolas e o espaço físico para estudar em casa são as principais dificuldades relatadas
Redação Prensa Latina
Prensa Latina

Tradução:

A educação foi a área da vida mais afetada pela Covid-19 para muitas meninas e mulheres jovens em 2020, informou hoje um estudo global da Plan International.
De acordo com o Escritório para a América Latina e Caribe da organização, com sede nesta capital, o acesso limitado à tecnologia, o apoio insuficiente das escolas e do espaço físico para estudar em casa são as principais dificuldades que enfrentam no aprendizado à distância.
A solidão e as responsabilidades domésticas também interferiram na capacidade das meninas de se concentrarem e acompanharem a educação doméstica, enquanto as escolas foram fechadas, afirma o estudo realizado em 14 países ao redor do mundo, incluindo Equador, Brasil e Nicarágua.

Durante a pesquisa, os alunos citaram a falta de celular, dinheiro para dados e outros custos relacionados ao aprendizado online como obstáculos frequentes ao aprendizado durante a pandemia, além de não ter quem explicasse para eles.

'O futuro das meninas e mulheres jovens está em perigo. A pandemia aumentou as desigualdades existentes e corremos o risco de um verdadeiro retrocesso para a igualdade de gênero', disse a diretora do Plano Internacional para a América Latina e o Caribe, Débora Cóbar.

Outra pesquisa realizada no ano passado por este grupo, que promove os direitos das crianças e adolescentes, revelou que 19% das meninas no mundo acreditam que Covid-19 as forçará a abandonar temporariamente a escola, enquanto 7% temem abandonar completamente a escola .

Dados gerenciados por esta associação mostraram que 1,5 bilhão de estudantes em quase toda a Europa, África, América Latina e Ásia foram afetados, após o fechamento de centros educacionais durante o momento mais crítico da primeira onda da pandemia em 2020.

A este respeito, a Diretora de Monitoramento, Avaliação, Pesquisa e Aprendizagem do Plan International, Jacqui Gallinetti, assegurou que esta doença mudou a vida de todos no último ano, mas seu impacto mostra as desigualdades pré-existentes entre ricos e pobres, jovens e velhos. , homens e mulheres.

'O futuro de meninas e mulheres jovens está ameaçado em muitos países e as políticas governamentais devem reconhecer isso, à medida que emergimos da pandemia e nos adaptamos a uma nova normalidade', disse ele.

Por outro lado, o estudo revelou que 80% dos entrevistados vivenciaram episódios de ansiedade devido à interrupção das aulas presenciais, medo do vírus (SARS-CoV-2) e necessidade de adaptação às medidas de confinamento.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel