Pesquisar
Pesquisar

EUA controlam bases e privacidade na rede

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

internet-privacidadeDocumentos secretos da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos, mostram quão frágil é a privacidade na estrutura fundamental da rede.

Hoje vivemos um ponto de viragem na história da internet. Os velhos tempos em que houve otimismo entre os engenheiros, e as novas tecnologias foram considerados uma solução para os grandes problemas da humanidade, parecem ter desaparecido. Hoje, a internet tornou-se um monitoramento de máquinas privado e estatal lucrativa, e esses engenheiros lutam para proteger o maior número de direitos de privacidade básicas.

É em grande parte graças a filtrar por Edward Snowden e WikiLeaks, sabemos dos mais sombrios práticas de espionagem industrial conduzidas pela Agência de Segurança Nacional (NSA) e seu item de aliados: sob o pretexto de combater o terrorismo, coletar informações pessoal milhões de pessoas diretamente servidores do Facebook, Google, Skype, da Apple, entre outros; são capazes de acesso, em suas próprias palavras, “quase tudo o que um usuário faz na Internet“, incluindo o conteúdo de e-mails e redes sociais; empresas de tecnologia pagar para ter acesso a chaves de criptografia e ler materiais confidenciais de seus membros e tudo isso sem qualquer restrição legal ou ordem judicial.

O fato de que esta tecnologia tem sido usada para espionar os presidentes do México, Alemanha e Brasil, embaixadas estrangeiras, empresas estatais, delegados das Nações Unidas e de usuários no mundo, envia uma mensagem clara: a privacidade no espaço virtual tornou-se uma ilusão. Nada é privado nos interesses internet e poderosos determinados a mantê-lo assim.

Hoje, novas informações NSA secreto publicado pelo Le Monde e Whistleblowing Associated Press, e ver exclusivo no Equador pelo The Telegraph, mostram que até mesmo a arquitetura fundamental da Internet, o Domain Name System ou DNS em Inglês, é cometidos por agências de inteligência das grandes potências.

Solução para o problema de DNS

Charge-Obama-Espionagem1Quando você faz algo na internet, quase tudo começa com um pedido para o DNS ou domínio. É graças a este protocolo básico sem quaisquer usuários de conhecimento técnico pode acessar vários serviços que procuram nomes (como www.ejemplo.com ), ao invés de números IP excessivamente complexas (como 2001: DB8: 4145 :: 4242). O DNS foi projetado para resolver um problema fundamental da usabilidade da rede incipiente, e que o tempo tem sido tão bem sucedida que é utilizado diariamente por cada pessoa, em tudo o que faz no ciberespaço.

Este sistema, construído no início dos anos 80, durante os dias otimistas de internet, nunca teve entre seus objetivos que protegem a privacidade de seus usuários: todos os bancos de dados são públicos e armazenar o conteúdo de transmissões e outros metadados sensível usuários (por exemplo, informações sobre a duração, hora e local de acesso), sem qualquer criptografia.

Dadas estas vulnerabilidades no sistema, é natural que as grandes agências de espionagem como a NSA EUA e seus aliados, no Reino Unido, Austrália, Canadá e Nova Zelândia, estão na frente para explorar a sua vantagem. Graças a estes novos vazamentos, sabemos exatamente como.

Em seguida, vem morecowbell

O DNS sempre foi um livro aberto e morecowbell é o programa que a NSA tem desenvolvido exclusivamente para a leitura. Como mostra os slides vazados, o sistema permite altamente efetivamente monitorar a disponibilidade de sites e servidores web, alterações de conteúdo e uma variedade de metadados. Isto lhes permite construir perfis detalhados de usuários e serviços e, finalmente, encontrar vulnerabilidades para lançar ataques cibernéticos. Ao utilizar o DNS público Internet, as implicações deste programa espião são enormes, afetando todos os usuários globalmente.

Para conseguir isso, morecowbell usa infra-estrutura dedicada e camuflado em vários países, incluindo a Alemanha, Malásia e Dinamarca, além de outros 13 países que apóiam a sua rede de servidores. Este programa permite distribuído secreto, em primeiro lugar, obter uma visão geral de resoluções DNS e disponibilidade dos serviços e, por outro, tornar a operação é não atribuíveis ao governo dos EUA.

Monitoramento no campo de batalha

Este último ponto é particularmente importante porque morecowbell pode ter um uso prático em operações militares, em especial a NSA chamado de “batalha indicação de danos”.

Em situações de guerra, muitas vezes os alvos de um ataque de comunicação e de infra-estrutura energética. Através deste programa, o Governo dos EUA você pode ter uma estimativa em tempo real da eficiência de um ataque, para acessar informações sobre a disponibilidade de serviços de internet na área onde o ataque ocorreu.

Este método é um barato, eficiente e de fácil aplicação para otimizar bombardeios e ataques aéreos dos militares dos EUA e seus aliados em áreas de solução difícil visualização.

A internet para internets

Embora exista a consciência da comunidade de programadores DNS, que a privacidade é um problema sério, interesses conflitantes tornam praticamente impossível uma solução consensual.

Sobre a mudança um lado tão vasto quanto o DNS pode resultar em problemas flagrantes acessando internet bilhão de usuários do sistema. Além disso, uma alteração que visa resolver estes problemas pode ser negativo para os modelos de negócios importantes ou interesses nacionais.

Por enquanto existem muitas soluções técnicas possíveis, todos com seus pontos fortes e fracos, embora não inteiramente satisfatória. O que está claro é que qualquer solução viável tem que passar por uma barreira política, e, neste caso, de alto nível.

Para entender isso, deve ficar claro que a internet não é tão descentralizado como se acreditava e, finalmente, tem um dono: Estados Unidos. Por exemplo, o DNS (domain) e registro geral de endereços IP, os dois bancos de dados que são executados a Internet a nível global, são controlados por entidades norte-americanas. Assim, graças à sua operação como um monitoramento de máquinas, a tendência para dividido pelo sistema de interesses nacionais ou comunitárias está crescendo. No futuro provavelmente não há único internet global, mas várias internets estrategicamente separadas.

Algo semelhante é o caso da China e do Irã, usando firewalls Assuntos restrição no fluxo de informações e censura.

Desde as revelações de Snowden balançou abriu o debate sobre a política internacional. Em agosto de 2013, o ministro das Comunicações do Brasil, Paulo Bernardo, disse que seu país “é a favor de uma maior descentralização: a governança da Internet deve ser multilateral e multissetorial, com uma participação mais ampla.”

Os outros Brics concordam com esta idéia e Rússia já levantou a possibilidade de ter a sua própria rede de cabos de fibra óptica.

Alemanha, por sua vez, propôs um sistema que protege as comunicações europeias para a área definida pelo acordo de Schengen. Seu argumento é brutalmente lógico: por que um e-mail que vai de Berlim a Paris deve passar por Nova York ou Londres?

É claro que esta tendência vai contra os interesses dos EUA, que estão lutando para evitá-lo. Neste sentido, o futuro não é clara. O que sabemos é que, enquanto a Internet continua a utilizar a mesma arquitetura e protocolos criado décadas sem ser descentralizada e destinada a garantir a segurança e privacidade dos usuários, este continuará a ser uma ferramenta para monitorar e controlar vantagens indiscriminados político, militar e econômico.

DATA

Em junho de 2013 Segredos Edward Snowden revelou altamente prática de espionagem da NSA, que abalou os documentos públicos internacionais.

El Domain Name System (DNS)O sistema mais utilizado na Internet, é operado pela ANS e seus aliados para criar perfis detalhados sobre os serviços e auxiliar em operações militares.

O vazou detalha o programa morecowbell operado a partir de camuflado na Alemanha, Dinamarca e servidores Malásia, realizando consultas DNS maciça e inatribuibles ao governo dos EUA

A exploração da internet Como uma máquina de espionagem dos EUA, leva sua divisão de acordo com os interesses regionais. Brasil e Alemanha e propôs a criação de sistemas descentralizados.

* Os autores deste artigo parecia uma análise técnica por Christian Grothoff, Matthias Wachs, Monika Ermer e Jacob Appelbaum.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Cuba
EUA tiram Cuba de lista sobre terrorismo: decisão é positiva, mas não anula sanções
ONU
Palestina como membro pleno da ONU: entenda os reflexos da resolução aprovada
Crise-drogas-EUA
EUA culpam cartéis do México por crise de drogas entre estadunidenses
Cartão Vermelho para Donald Trump...