Pesquisar
Pesquisar

EUA estavam avançados no caminho de se tornar um país fascista, comentou analista

O golpe de estado empresarial já aconteceu. Eles ganharam. Nós perdemos”, conclui Chris Hedges
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

A disputa pelo futuro da democracia cada vez mais imperfeita e danificada dos Estados Unidos continua à beira de um precipício, e o prognóstico de sua saúde política é reservado. 

“No presente, o império estadunidense exibe grandes problemas: desintegração, decadência, avareza organizada na cúpula e temor institucionalizado monopolizado por uns quantos políticos. Temos uma situação com o neofascismo de um lado e o neoliberalismo do outro. Temos que ter uma alternativa”, argumenta o filósofo político Cornel West em uma entrevista à revista The Internationalist.  

Para a socióloga Frances Fox Piven, veterana acadêmica/ativista progressista de referência ao longo de várias décadas, o momento mais perigoso neste país não foi superado nesta última eleição. 

“Não creio que esta luta sobre a democracia elementar se acabou, por nenhuma razão. Os Estados Unidos estavam bastante avançados no caminho de tornar-se um país fascista [antes desta última eleição] — e ainda pode tornar-se um país fascista”, comentou em uma entrevista ao jornal The Guardian.

Para o jornalista (Prêmio Pulitzer) e analista Chris Hedges, já não há salvação dentro da estrutura política existente nos Estados Unidos. “O projeto bipartidário de desmantelar nossa democracia, o qual se realizou ao longo das últimas décadas em nome das empresas e dos ricos, deixou só a casca externa da democracia. 

Os tribunais, legislaturas, o ramo executivo e os meios… são cativos do poder empresarial. O golpe de estado empresarial já aconteceu. Eles ganharam. Nós perdemos”, conclui em um ensaio em ScheerPost.  

O golpe de estado empresarial já aconteceu. Eles ganharam. Nós perdemos”, conclui Chris Hedges

Hopsey
Trump triunfante

“Os escombros deste projeto neoliberal são espantosos: guerras sem fim e fúteis para enriquecer um complexo militar industrial… a desindustrialização… o recorte e privatização de programas sociais incluindo a educação, serviços públicos e saúde… polícia militarizada… o maior sistema carcerário do mundo… eleições saturadas de dinheiro que perpetuam nosso sistema de suborno legalizado…” Sublinha, como repetiu Chomsky e outros, que tal sistema permitiu ao 1% mais rico apropriar-se de $54 trilhões dos 90% dos de baixo entre 1975 e 2022, segundo uma investigação do prestigiada Rand Corporation.

Enfatiza que “o terreno fértil de nossa destruição política, econômica, cultural e social gerou um leque de neofascistas, estafadores, racistas, criminosos, charlatães, teóricos de conspiração, milícias direitistas e demagogos que logo tomaram o poder” e reafirmou que este descenso democrático não tem remédio político dentro do atual esquema bipartidário estadunidense. 

Para alguns, a luta pela democratização dos Estados Unidos tem que buscar bússolas novas e velhas. Fox Piven diz que sempre se requereu uma aliança entre movimentos sociais e eleitorais para mudar a curso da história estadunidense; por um lado forças sociais que irrompem ao se recusar a “cooperar” com o sistema atual, e por outro, propostas eleitorais para implementar as mudanças necessárias. 

Por sua parte, West considera que “as pessoas buscam uma alternativa à ordem neoliberal nos Estados Unidos e suas manifestações internacionais… O internacionalismo é o ponto de partida… Ainda não temos uma proposta maior que ofereça um programa e uma plataforma progressista, internacionalista e de esquerda” e recomenda como um primeiro passo urgente “juntar os movimentos antiguerra e sobre a mudança climática para que a luta contra a catástrofe ecológica vá junto com a condenação do militarismo e do capitalismo depredador”. 

A resistência contra as forças do neofascismo continua nos Estados Unidos, mas vale repetir que requer mais do que nunca a solidariedades de suas contrapartes do outro lado de suas fronteiras e costas. 

Jimi Hendrix, rebelde que nasceu neste dia em 1942.  Angel.  “Quando o poder do amor supere o amor ao poder, o mundo conhecerá a paz”, disse (talvez citando a antepassados).

Tradução Beatriz Cannabrava

As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação