Pesquisar
Pesquisar

EUA: Polícia reprime manifestantes antirracistas em mais uma noite de protestos contra morte de Daunte Wright

As autoridades classificaram sua morte como acidental e apontaram que ocorreu quando a agente Kim Potter
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Washington

Tradução:

A polícia e a Guarda Nacional reprimiram com força centenas de pessoas que protestaram pela terceira noite consecutiva na cidade norte-americana de Minneapolis pelo assassinato do afro-americano Daunte Wright, informou hoje a mídia local.
Em uma entrevista coletiva à meia-noite, o chefe da patrulha estadual Matt Langer disse que mais de 60 manifestantes foram presos na terça-feira por participarem das manifestações.

Cerca de 8.000 pessoas que se reuniram em frente ao Departamento de Polícia do Brooklyn Center gritaram e empurraram a cerca ao redor do complexo, enquanto dezenas de policiais em equipamento de choque atiraram granadas de flash e balas de borracha contra eles.
A multidão marchou para o escritório de campo do FBI próximo, onde os oradores continuaram a exigir justiça para Wright por meio de um megafone, depois retornaram à delegacia.

De acordo com o jornal local Star Tribune, os protestos começaram pacificamente em frente à delegacia de polícia da cidade.

Os participantes exigiram que as autoridades estaduais designassem uma investigação independente sobre Kimberly Potter, a policial que atirou e matou Wright quando ela tentou prendê-lo, alegando que tinha um mandado pendente.

As autoridades classificaram sua morte como acidental e apontaram que ocorreu quando a agente Kim Potter começou a usar uma pistola imobilizadora (taser), mas ela cometeu um erro e disparou com sua arma de fogo, mas o advogado Jeff Storms refutou esta alegação e afirmou que “acidente é derramar um copo de leite, não sacar uma arma.”

Não é por acaso apontar uma arma para alguém, nem por acaso ignorar que o que se tem na mão não pesa o mesmo que um taser“, disse o advogado que acompanhava os familiares.

O agente envolvido na morte renunciou e o chefe da polícia local também, Mike Elliott, prefeito de Brooklyn Center, anunciou ontem.

Para ativistas como Toshira Garraway, a morte de Wright é outro exemplo de brutalidade policial e discriminação sistêmica, porque esses não são incidentes isolados. 

Na verdade, George Floyd e Daunte Wright são o rosto de centenas de assassinatos aqui em Minnesota. A multidão compareceu para ouvir as famílias , de acordo com o The Star Tribune.

As ações violentas na área da cidade aumentaram as tensões no momento em que o julgamento de Derek Chauvin, o ex-policial acusado de assassinar Floyd, continua nos dias de hoje, e que ocorre em um tribunal a menos de 20 quilômetros do local dos incidentes.

A morte de Floyd há 10 meses gerou ondas de protestos e manifestações violentas em dezenas de cidades americanas, fortemente reprimidas pelas autoridades policiais.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

  

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda