Pesquisar
Pesquisar
Foto: UNRWA / X

EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza

Em relatório deturpado, Washington finge desconhecer que sua artilharia é usada por Tel Aviv em graves violações do direito internacional humanitário e dos direitos humanos
Redação HispanTV
HispanTV
Teerã

Tradução:

Ana Corbisier

Os EUA eludiram obrigações legais em um informe sobre o uso de suas armas por Israel e dezenas de milhares de palestinos morreram por causa destas munições.

Assim se deduz de uma declaração de um grupo de trabalho independente e autoformado por ex-funcionários do Departamento de Estado dos Estados Unidos e especialistas em direito internacional em que questionam o informe enviado em 10 de maio último pela Administração Biden ao Congresso sobre o uso por parte de Israel de armas fornecidas pelos Estados Unidos.

O grupo disse que o informe em questão, no melhor dos casos, é incompleto e, no pior, deliberadamente enganoso, conforme relatou em 11 de maio a cadeia ABC News.

Leia também | Por que é em vão esperar que EUA deixem de apoiar genocídio em Gaza?

“A Administração deve aceitar que o que enfrenta com sua mortífera ajuda militar às operações de Israel em Gaza — e além — não é um problema político: é um problema legal”, denunciaram os ex-funcionários e especialistas. 

Também afirmaram que mais da maioria das dezenas de milhares de palestinos que morreram “foram assassinados por munições estadunidenses”. 

Israel utiliza armamento “facilitado” pelos EUA

Segundo o Departamento de Estado estadunidense, “em alguns casos” o regime de Israel utilizou armamento facilitado por Washington de maneira “inconsistente” com o direito internacional.

Não obstante, matiza dizendo que não é possível verificar se Israel utilizou armas fabricadas pelos Estados Unidos em Gaza de uma maneira que viole as leis internacionais; portanto, acrescenta que não encontrou informação suficiente que justifique frear o envio de assistência militar a seu aliado, Israel, na Ásia Ocidental.

Leia também | Biden defende liberdade de imprensa enquanto arma Israel para matar jornalistas palestinos

No final de abril, a Anistia Internacional considerou que as armas fornecidas pelos Estados Unidos a Israel foram utilizadas “em graves violações do direito internacional humanitário e dos direitos humanos, e de maneira incompatível com a legislação e a política estadunidenses”.

 

Um informe do The Washington Post indica que os Estados Unidos realizaram pelo menos 100 envios de armas a Israel desde outubro de 2023, quando o regime de ocupação declarou guerra a Gaza.

Leia também | Alarmados com apoio ao massacre em Gaza, membros da Casa Branca cogitam deixar Biden

O número de mortos na Faixa de Gaza desde que começou a guerra israelense em 7 de outubro superou domingo 35 mil em 12 de maio, segundo os dados do Ministério da Saúde de Gaza. Esta cifra é divulgada enquanto o exército israelense expande seus ataques em Rafah, no extremo mais meridional da faixa, de onde se calcula que fugiram umas 300.000 pessoas diante da ameaça dos constantes bombardeios.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação HispanTV

LEIA tAMBÉM

Jesus-Chuy-Garcia
Vítimas da violência no México e nos EUA se unem contra armamentismo estadunidense
emmanuel-macron
Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular
zelensky-conferencia-paz-eua2
“Conferência de Paz” de Zelensky: plano da Otan é manter guerra “até o último ucraniano”
Congo-golpe-Christian-Malanga
Quem são e o queriam golpistas dos EUA mortos em ataque ao Congo em 19/5