Pesquisar
Pesquisar

EUA usam acordo nuclear Start como pretexto para averiguar armas russas; Kremlin rebate

Segundo o governo russo, Washington impediu que a Rússia realizasse inspeções do mesmo tipo em território estadunidense
Juan Pablo Duch
La Jornada
Moscou

Tradução:

Na opinião do Kremlin, mediante uma declaração formal da chancelaria local difundida nesta quarta-feira, “os Estados Unidos desataram uma guerra híbrida total contra a Rússia, que poderia desencadear um enfrentamento militar direto entre duas potências nucleares”, pelo que “são especialmente cínicas as exigências de Washington de retomar, apesar de tudo, a inspeção das instalações de armamento ofensivo estratégico russo”. 

Porque, indica, isto sucede “em condições em que o regime de Kiev trata de atacá-las com ajuda técnica e militar, assim como informação de inteligência, dos Estados Unidos”.

Enquanto pobreza e violência crescem nos EUA, verba à Ucrânia bate US$ 113 bilhões em 1 ano

É impossível – assegura a chancelaria russa – tratar com a administração estadunidense “como se nada passasse”, quando não oculta que pretende infligir uma “derrota estratégica” à Rússia na Ucrânia, onde Estados Unidos e seus aliados da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) “estão enviando cada vez mais armas”. 

Não deve ficar dúvida: “Até que Washington – e o afirmamos com toda certeza – reconsidere sua linha hostil para com a Rússia e abandone a política de ameaças crescentes à nossa segurança nacional, qualquer ‘sinal positivo’ ou ‘passo para’ os temas colocados pelos Estados Unidos no contexto do cumprimento do pactuado no START (sigla em inglês do Tratado sobre Redução e Limitação de armas ofensivas estratégicas) será injustificado, extemporâneo e inadequado”.

Adverte: “Qualquer ação hostil dos Estados Unidos que ponha em entredito a validez das disposições mais importantes do START terá uma resposta adequada nossa”.

Segundo o governo russo, Washington impediu que a Rússia realizasse inspeções do mesmo tipo em território estadunidense

Flickr – Governo dos EUA
Tiro de superfície nuclear é disparado em Eniwetok Atoll nas Ilhas Marshall em 1956

Esta é a parte medular do documento com que a Rússia rechaçou nesta quarta-feira (8) retomar as inspeções recíprocas e também celebrar as sessões da comissão consultiva bilateral sobre esse tratado. 

Os “Estados Unidos – sustenta – violaram com suas ações o procedimento padrão das visitas de inspetores ao bloquear a possibilidade de que Rússia (ao negar os vistos e proibir a aterrissagem de aviões russos) realizasse inspeções em seu território, o que criou evidentes vantagens para si mesmo”.

Rússia: Otan aumenta risco de hecatombe nuclear com envio de mais armas à Ucrânia

Neste sentido, sublinha, diante da insistência dos Estados Unidos de efetuarem inspeções de improviso, a Rússia se viu obrigada a não permitir temporariamente o regime de inspeções em suas instalações estratégicas, possibilidade que, indica, não se contradiz com o START, o último grande acordo de controle de armamento nuclear entre as duas potências, vigente até 2026. 

Após reafirmar seu compromisso inquebrantável com o START, como uma ferramenta importante para manter a segurança internacional, a Rússia colocou que “há que garantir o bom funcionamento de todos os mecanismos dos tratados em estrita conformidade com os princípios de paridade e igualdade das partes, vulneráveis pelas ações dos Estados Unidos”. 

Juan Pablo Duch | Correspondente do La Jornada em Moscou.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas