Pesquisar
Pesquisar

Exército venezuelano e paramilitares da Colômbia estão em guerra há 10 dias na fronteira entre países

Confronto na fronteira já deixou seis mortos, causou 12 prisões e mais de 3 mil foram obrigadas a abandonar suas casas
Michele de Mello
Brasil de Fato
Caracas

Tradução:

A fronteira sul que divide a Colômbia e a Venezuela arde há 10 dias em uma troca de fogo entre grupos irregulares colombianos e a Força Armada Nacional Bolivariana (Fanb). O ministro de Defesa, General Vladimir Padrino López, afirmou que são grupos paramilitares vinculados ao narcotráfico que cruzam a fronteira para “gerar terror” no lado venezuelano, atacando com explosivos e armas largas bases militares, sedes da companhia elétrica (Corpoelec) e da estatal petroleira Pdvsa.

Histórico das agressões
Maduro denuncia movimento de tropas irregulares da Colômbia para a Venezuela

A zona de conflito compreende uma área de 10 mil km² entre o estado venezuelano de Apure e o departamento colombiano de Arauca. O conflito começou no dia 20 de março, quando a Fanb identificou a presença de paramilitares colombianos no território venezuelano. Até o momento, seis homens foram mortos, 12 presos e 27 pessoas estão sob investigação em um tribunal militar na Venezuela.

Dois militares venezuelanos morreram em combate e outros 20 terminaram feridos. Além dos enfrentamentos, esses grupos armados colombianos colocaram minas no território venezuelano para buscar ampliar seu controle sobre a zona.

Confronto na fronteira já deixou seis mortos, causou 12 prisões e mais de 3 mil foram obrigadas a abandonar suas casas

Prensa Monagas
Força Armada Nacional Bolivariana patrulha a fronteira com a Colômbia para impedir avanço de grupos irregulares colombianos

Maduro acusa Iván Duque

No último domingo (28), o presidente Nicolás Maduro assegurou que os grupos irregulares são acobertados pelo governo Iván Duque para gerar uma situação de conflito armado. O ministro de Relações Exteriores, Jorge Arreaza, declarou que a Colômbia mobilizou tropas oficiais para dar proteção aos paramilitares.

Já o ministério das Relações Exteriores da Colômbia defende que são guerrilheiros apoiados pelo governo venezuelano, sem apresentar provas. Segundo a chancelaria, 3,1 mil venezuelanos migraram para várias cidades do departamento de Arauca por conta do confronto. 

Relação com narcotráfico

De acordo com reportagens de meios de comunicação colombianos e venezuelanos, a região de Arauca é disputada por vários grupos armados e pelo narcotráfico. Dissidências das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), a frente de combate 10 e o grupo a mando de “Gentil Duarte” são os grupos que medem forças para controlar a zona.

De acordo com a chancelaria colombiana, mais de 3 mil venezuelanos foram obrigados a migrar por conta do conflito armado. / Prensa Táchira

“Gentil Duarte” teria relações com o grupo narcotraficante mexicano Cartel de Sinaloa, o que lhe teria conferido maior poder econômico e maior poder de fogo.

Além disso, reportagens investigativas de meios colombianos identificaram que o piloto de avião da campanha do ex-senador Álvaro Uribe Vélez e do presidente Iván Duque já havia trabalhado para o Cartel de Sinaloa.

Ex-senador Álvaro Uribe Vélez, padrinho político do presidente colombiano Iván Duque, contratou o mesmo piloto do Cartel de Sinaloa, um dos maiores grupos narcotraficantes do México. / La Nueva Prensa 

Segundo as próprias autoridades colombianas, atualmente os principais operadores do tráfico de drogas e compradores de cocaína na Colômbia são os cartéis mexicanos que vendem diretamente aos Estados Unidos.

A Comissão Bicentenária Orinoco Magdalena, composta por militantes do partido Comunes (antigo partido FARC), reiterou em comunicado que não há relação dos conflitos com seu partido: “Nenhuma fora revolucionária será útil ao imperialismo, nem às oligarquias binacionais”.

Procurador geral da Venezuela revela fotos que comprovam apoio de grupo paramilitar à travessia ilegal de Guaidó por fronteira colombo-venezuelana, em fevereiro de 2019. / Divulgação

Responsabilidade para proteger

O Executivo colombiano insiste em que a onda migratória no estado Apure foi gerada por excessos cometidos pelas forças armadas venezuelanas e não pela ação dos paramilitares.

O discurso de crise humanitária é novamente defendido por Iván Duque e pelo ex-deputado venezuelano Juan Guaidó, que nmasi uma vez sugere a ativação do mecanismo Responsabilidade para Proteger (R2P) na Venezuela. O R2P defende que os países da Organização das Nações Unidas (ONU) devem intervir em nações em que o Estado deixa de cumprir seu papel na proteção dos cidadãos.

Tropas militares fazem segurança de centros de distribuição de energia no estado venezuelano de Apure, depois de explosões. / Ceofanb

Para o Executivo venezuelano trata-se de mais uma tentativa de gerar distúrbios para justificar uma ação internacional.

Desde 2019, a Venezuela denuncia na ONU a existência de acampamentos paramilitares no lado colombiano, próximo a sua fronteira. Em maio de 2020, os envolvidos na Operação Gedeón também relataram em depoimentos à justiça venezuelana que realizaram o treinamento em acampamentos paramilitares do lado colombiano da fronteira.

No começo de fevereiro de 2021, a Fanb divulgou que derrubou oito acampamentos e encontrou uma aeronave sem matrícula na região fronteiriça.

A Venezuela assegura que pedirá assessoria das Nações Unidas para desarmar as estruturas paramilitares na fronteira com a Colômbia.

Michele de Mello, jornalista Brasil de Fato

Edição: Rebeca Cavalcante


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Michele de Mello

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri