Pesquisar
Pesquisar

Explosão de carro-bomba na sede da CUT Colômbia mata uma e fere 9 pessoas

“Explosão visa induzir a propostas de força e não de diálogo, que estão avançando no conjunto da sociedade colombiana e reduzindo espaço para a extrema-direita“, afirmou Francisco Maltés, presidente da Central Unitária de Trabalhadores.
Leonardo Wexell Severo
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

A explosão de um carro-bomba em um edifício sede de entidades populares na cidade de Saravena, em Arauca, na Colômbia, deixou pelo menos uma pessoa morta e outras nove feridas nesta quarta-feira (19). No local funcionava uma escola de Direitos Humanos bastante criticada pelo governo do presidente Iván Duque. Os terroristas fugiram ao serem flagrados disparando contra os que estavam no local.

“É importante frisar que este atentado terrorista, contra a sede da Central Unitária de Trabalhadores (CUT) e dos movimentos sociais, ocorreu apenas um dia após o partido do governo ter pedido a cassação da personalidade jurídica da Federação Colombiana de Trabalhadores da Educação (Fecode), e em meio a uma campanha violentíssima de ameaças e perseguições contra lideranças populares”, denunciou o presidente da Central, Francisco Maltés.O atentado contra a sede da Central Unitária de Trabalhadores (CUT) em  Saravena, em Arauca, na Colômbia

Também coordenador do Comitê Nacional de Paralisação (CNP), Maltés assinalou que são inaceitáveis tão sangrentos atropelos, cujo único objetivo é asfixiar o processo democrático e impor um regime ditatorial. Ele recordou de ter arrancado recentemente várias conquistas, como uma política de ganho real para o salário mínimo, utilizando pressão e negociação como duas faces de uma mesma moeda.

“Explosão visa induzir a propostas de força e não de diálogo, que estão avançando no conjunto da sociedade colombiana e reduzindo espaço para a extrema-direita“, afirmou Francisco Maltés, presidente da Central Unitária de Trabalhadores.

Montagem Diálogos do Sul
O atentado com carro-bomba deixou pelo menos uma pessoa morta na Colômbia

“A explosão deste carro-bomba a apenas 50 metros de um posto policial visa induzir a propostas de força e não de diálogo, que estão avançando no conjunto da sociedade e reduzindo espaço para a extrema-direita na Colômbia”, esclareceu. Objetivamente, apontou o sindicalista, “o silêncio cúmplice do presidente Iván Duque reforça a tentativa de intimidação. Daí a necessidade de uma maior vigilância internacional e da crescente solidariedade, para impedirmos a fraude eleitoral, pois as forças democráticas, de esquerda, são agora uma opção real de ser governo”, enfatizou.

Duque dá “licença para matar” 

Vencedora do prêmio nacional de Jornalismo, Bibiana Camacho acredita que “a violência antissindical alentada pelo governo e o silêncio do presidente Duque são uma espécie de licença para matar”. “Toda minha solidariedade com a organização que tem lutado pelos direitos dos trabalhadores”, declarou.

A detonação ocorreu no final da noite em um setor comercial, próximo à Fundação de Direitos Humanos Joel Sierra, que somou-se ao protesto, alertando para a complexidade e gravidade do momento vivido em Arauca, departamento que faz fronteira com a Venezuela e que foi visitado por Duque para ampliar a militarização no último domingo (16).O carro bomba causou grande estrago nos arredores do setor comercial, próximo à Fundação de Direitos Humanos Joel Sierra

Conforme a Fundação Passos de Direitos Humanos, “a onda explosiva destruiu completamente a sede do Instituto Colombiano Agropecuário (ICA) e comprometeu toda a estrutura do edifício sede de pelo menos cinco organizações sociais”. “A praça de alimentação, bares e residências vizinhas também foram afetados”, acrescentou.

De acordo com Francisco Maltés, eventos sangrentos e abomináveis como este tornam evidente a necessidade de uma ampla mobilização em respeito à defesa das liberdades democráticas e às recomendações da Comissão Internacional dos Direitos Humanos (CIDH) das Nações Unidas. Algo que vem sendo completamente escamoteado pelo governo.

Defendendo o nome do candidato à presidência da República pelo Pacto Histórico, no próximo dia 29 de maio, o dirigente cutista esclareceu que “tudo o que Gustavo Petro vem propondo é combater o paramilitarismo que, como podemos ver triste e cotidianamente, segue muito forte em nosso país”. “Lembramos que já são mais de 300 signatários do Acordo de Paz de 2016 assassinados, que continuam se multiplicando os massacres, as intimidações e advertências contra os membros da CUT e dos movimentos sociais sem que nenhuma medida de proteção seja tomada. É preciso pôr um ponto final nisso”, concluiu.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

VocêSe pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Leonardo Wexell Severo

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia