Pesquisar
Pesquisar

Extrema-direita incita saques e paga por manifestações contra Castillo no Peru

Ala busca aumentar insatisfação com a alta de preços da gasolina, do petróleo e dos produtos de primeira necessidade, sem esclarecer reais causas do problema
Jorge Rendón Vásquez
Diálogos do Sul
Lima

Tradução:

Segue a guerra da ultra direita contra Pedro Castillo, seu governo e o povo do qual ele é paradigma, utilizando sua imprensa, rádio e TV e os jornalistas, opiólogos e caricaturistas que aluga.

Em 5 de abril pôs na rua em Lima um grupo de esnobes e outras pessoas convencidas ou pagas para protestar por algo que não prejudica nem afeta os da classe alta; a subida dos preços da gasolina, do petróleo e dos produtos de primeira necessidade. Não os prejudica, porque com seus altos ingressos podem pagá-los sem nenhum problema; altos ganhos que se originam, diga-se de passagem, nos lucros que resultam do trabalho de operários e empregados insuficientemente remunerados. Houve, além disso, tentativas de saque em alguns mercados.

Foi uma escalada que começou com a “greve dos transportistas”, pondo a culpa no governo pela subida do preço da gasolina e do petróleo. E o governo teve que pôr-se de acordo com eles, comprometendo-se a subsidiar o preço destes produtos. Vamos ver se com este subsídio, que lhes custará a todos os peruanos, baixarão os preços das passagens e dos fretes. 

Ala busca aumentar insatisfação com a alta de preços da gasolina, do petróleo e dos produtos de primeira necessidade, sem esclarecer reais causas do problema

Facebook Pedro Castillo
Pedro Castillo segue lutando contra a extrema-direita peruana

Depois do papelão que fez a ultradireita no Congresso da República com seu fracassado projeto de vacância da Presidência da República na semana antepassada, em seu programa de ataque seguia esta escalada. E também fracassou, porque a maior parte do povo, embora não saiba de tudo, presume que o governo nada tem a ver com a subida do preço da gasolina e se limitou a observar perplexa a manifestação dos esnobes. 

Por que subiu o preço do petróleo? 

É um efeito da sanção dos Estados Unidos à Rússia por causa da guerra contra a Ucrânia, ocasionada pela tentativa da Ucrânia de ingressar ao Tratado do Atlântico Norte (OTAN) que, segundo a Rússia, a ameaçaria. A sanção ditada pelos Estados Unidos e acatada pelos estados da União Europeia bloqueou, entre outros valores, o dinheiro que a Rússia deve receber pelas vendas de gás, petróleo e outros bens vendidos aos países europeus. 

A resposta da Rússia foi decidir que não continuará vendendo-lhes esses produtos se não os pagarem. A escassez em perspectiva dessa possibilidade deu lugar a uma alta imediata dos preços do petróleo e seus derivados e do gás. O barril de petróleo é vendido agora a 130 dólares e o galão de gasolina nos Estados Unidos, pois é produtor, custa 4,173 dólares. A subida é de mais de 40%. Isto quer dizer que os produtores de petróleo estão aproveitando esta situação para subir os preços e ganhar muito mais à custa dos consumidores. 

Obviamente, a Rússia também se beneficia, cujos ingressos pelo petróleo e o gás que vende a outros países aumentaram por estes preços. Em realidade, a sanção contra ela prejudica, pelo contrário, aos Estados Unidos, que sofre a inflação que o preço de petróleo causa, e os estados Europeus que estão ficando sem petróleo e sem gás e têm uma inflação que já chega em alguns países a 9%.  

40% do gás que a Alemanha consome e que não quer pagar chega da Rússia por um gasoduto. Até agora só a Hungria declarou que não aplicará sanções à Rússia, já que o gás que é fornecido por ela satisfaz 75% de seu consumo. 

O Peru não é alheio aos efeitos da alta do preço do petróleo, porque tem que importar 75% da quantidade que consome, o que determina que seus preços e o da gasolina sejam mais altos. E como tudo se transporta em veículos movidos a gasolina e petróleo, tudo tende a subir de preço. 

A direita recalcitrante, personificada no Congresso por 43 representantes dos grupos Força Popular, Renovação Popular e Avança País e alguns de seus aliados do centro, não se referiu ao que sucede com o petróleo e, é claro, não deu nenhuma fórmula para anular ou, pelo menos, reduzir a subida dos preços. Com toda a certeza, se estivesse no controle do Poder Executivo teria disposto a dissolver a bala de uma manifestação como a de ontem contra ela.

Mas há algo mais. A direita recalcitrante crê que pode incitar saques e manifestações com desmandos sem consequências para ela e seus mandantes. Sabe-se como teve que agir o governo de Velasco para parar os saques de 5 de fevereiro de 1975, promovidos pelo Apra. Os mortos quase chegaram a 100. E se, de repente, as massas populares, respondendo às incitações da direita recalcitrante, saíssem em manifestação pelos bairros ricos de Lima? Melhor seria “não fazer ondas”, não lhes parece? Ou dizendo de outro modo; não há que fazer fogo perto da gasolina.
Jorge Rendón Vázquez é colaborador de Diálogos do Sul de Lima, Peru.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Jorge Rendón Vásquez Doutor em Direito pela Universidad Nacional Mayor de San Marcos e Docteur en Droit pela Université de Paris I (Sorbonne). É conhecido como autor de livros sobre Direito do Trabalho e Previdência Social. Desde 2003, retomou a antiga vocação literária, tendo publicado os livros “La calle nueva” (2004, 2007), “El cuello de la serpiente y otros relatos” (2005) e “La celebración y otros relatos” (2006).

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei