Pesquisar
Pesquisar

Facebook é a plataforma que mais censura conteúdos digitais palestinos, aponta estudo

Outras mídias sociais como WhatsApp, TikTok, Youtube e Twitter também atuam na eliminação de contas e imposição de restrições a posts palestinos
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

Entre janeiro e junho deste ano, o Sada Social Center – organismo que acompanha as redes sociais na Palestina – registrou 425 violações contra conteúdos digitais palestinos, o que, segundo a agência WAFA, deve-se às iniciativas oficiais de Israel “para combater a narrativa palestina”.

Em comunicado, o organismo afirma que o Facebook ocupa o primeiro lugar na eliminação de conteúdos palestinos, tendo documentado 273 situações em que isso ocorreu nos primeiros seis meses de 2022.

Assista na TV Diálogos do Sul

Durante este período, acrescentou, outras empresas entraram na “guerra” a conteúdos digitais palestinos, como a WhatsApp (60 casos), TikTok (21), Youtube (14), Twitter (12) e Clubhouse (10).

Na maior parte dos casos, aquilo que se verificou foi a eliminação de contas e a imposição de restrições a publicações, especialmente quando estas continham determinados termos associados à situação política, como as palavras árabes para “ocupação”, “acampamento de refugiados de Jenin“, “mártir” ou “resistência”.

Além disso, um inquérito realizado pelo Sada Social Center nos últimos meses sobre 195 jornalistas e ativistas, revelou que 97% deles sofreram algum tipo de restrição nas redes sociais devido a publicações relacionadas com a “causa palestina”, revela a WAFA.

Quase um terço dos inquiridos (29%) disse ter sido alvo de censura pelo menos 11 vezes; cerca de 43% dos participantes no inquérito afirmaram que as suas contas foram bloqueadas nas plataformas digitais entre três e cinco vezes, indica a mesma fonte.

Outras mídias sociais como WhatsApp, TikTok, Youtube e Twitter também atuam na eliminação de contas e imposição de restrições a posts palestinos

Monitor do Oriente
Segundo Comitê de Apoio dos Jornalistas, tropas israelitas assassinaram uma jornalista palestiniana em junho




ONG denuncia agressões israelitas a jornalistas

Num comunicado emitido este domingo (3), o Comitê de Apoio dos Jornalistas afirmou que as tropas israelitas assassinaram uma jornalista palestiniana em junho, Ghufran Harun Warasneh, de 31 anos, quando se dirigia para o seu emprego numa rádio local, na cidade al-Khalil (Hebron).

A organização não governamental deu conta ainda de ataques verbais e físicos a jornalistas palestinianos que realizavam o seu trabalho na Margem Ocidental e Jerusalém Oriental ocupadas, por parte de forças de segurança e colonos israelitas.

As agressões deliberadas incluíram palavras racistas e ofensivas, assim como pontapés, agressões com paus e culatras de espingardas, disparos com munição real, com balas de borracha ou com gás lacrimogéneo, disse o Comitê, citado pela Prensa Latina.

Redação AbrilAbril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel