Pesquisar
Pesquisar

Facebook Papers: empresa soube por anos que seus anúncios promoviam tráfico humano e nada fez

Ex-funcionária do Facebook compartilhou milhares de documentos revelando que empresa teria ignorado discurso de ódio e desinformação para maximizar lucro
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

Documentos internos do Facebook, obtidos pela emissora CNN, mostram que a empresa sabia há anos que seus produtos apresentavam conteúdo de tráfico humano. De acordo com a mídia, a empresa norte-americana tinha conhecimento de que traficantes de pessoas vinham criando grupos, perfis e até comprando anúncios na plataforma desde pelo menos 2018.

A situação teria chegado ao ponto de, em 2019, a Apple ter ameaçado retirar o acesso do Facebook e do Instagram à AppStore, a plataforma da Apple para instalar aplicativos.

Os documentos foram divulgados por Frances Haugen, que deixou o Facebook em maio e enviou os dados que tinha coletado ao Congresso norte-americano e diversos meios de comunicação.

Ex-funcionária do Facebook compartilhou milhares de documentos revelando que empresa teria ignorado discurso de ódio e desinformação para maximizar lucro

Flickr
Facebook cogita mudar de nome após as denúncias

Facebook demorou a agir

Em 2018, funcionários designados para os departamentos do Oriente Médio e Norte da África sinalizaram perfis no Instagram que “ofereciam” aos usuários trabalhadores domésticos. No entanto, os documentos revelados agora mostram que esses perfis não foram considerados infratores.

Comunicação: Estados têm que discutir estatização de redes sociais como Facebook, WhatsApp e Youtube

Apenas em maio de 2019 a empresa lançou o programa “Política de Exploração Humana”, que visa evitar que conteúdos de servidão doméstica apareçam em suas plataformas. Meses depois, quando a Apple fez a ameaça citada anteriormente, o Facebook excluiu 130 mil peças de conteúdo de servidão doméstica em árabe de suas plataformas em uma semana para evitar a suspensão na AppStore, relata o documento interno.

Ainda em 2019, um funcionário publicou no site interno da empresa um resumo de uma investigação que revelou que traficantes de pessoas pagaram US$ 152 mil (aproximadamente R$ 844 mil) para comprar anúncios no Facebook e Instagram, incluindo anúncios direcionados a homens em Dubai.

No entanto, de acordo com a CNN, o problema persistiu e o assunto foi mencionado em relatórios internos em 2020 e 2021, com a empresa dizendo que mulheres vítimas de traficantes foram submetidas a abusos físicos e sexuais, privadas de alimentação e pagamento, e tiveram seus passaportes confiscados a fim de impedi-las de escapar.

Mídia golpista está sendo apoiada pelo Facebook para buscar uma terceira via, denuncia jornalista

O porta-voz do Facebook, Andy Stone, afirmou que a empresa combate o tráfico de pessoas em seus produtos há muitos anos e que seu objetivo “continua sendo impedir que qualquer pessoa que queira explorar outras pessoas tenha um lar em nossa plataforma”.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

fome-onu-Somalia
“Tormenta”: fome atinge 18 localidades do mundo e exige ação urgente, alerta ONU
frei-betto-ressocializacao
Frei Betto | Sim, é possível ressocializar presos comuns
Chiquita-Brands
Condenada nos EUA, multinacional Chiquita bancou paramilitares autores de massacres na Colômbia
Nayib Bukele
Projeto repressivo de Bukele ignora raízes da criminalidade e gera ilusão de segurança