Pesquisar
Pesquisar

Falta de água, combustível e infraestrutura condena à fome palestinos na Faixa de Gaza

Condições impedem cozinhar os poucos alimentos ainda disponíveis; segundo a ONU, ajuda externa é muito escassa
Redação Resumen LatinoAmericano
Resumen LatinoAmericano
Caracas

Tradução:

A infraestrutura alimentar na Faixa de Gaza deixou de funcionar e a população corre um alto risco de morrer de fome, denunciou, no último dia 16, o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA).

Assista na TV Diálogos do Sul

O representante e diretor do Programa na Palestina, Samer Abdeljabe, pôs ênfase na interrupção das cadeias de fornecimento como um revés catastrófico em uma situação já grave pela violência circundante.

A população se desespera ao ver-se privada das necessidades mais básicas, e sem acesso a combustível, a capacidade para fornecer pão aos necessitados ou transportar alimentos está comprometida.

Mais um cessar-fogo? Só fim da ocupação israelense pode impedir genocídio palestino

Este estado extremo de desabastecimento paralisou a vida em Gaza. “As pessoas estão morrendo de fome”, afirmou o funcionário da ONU.

A ajuda externa é vital, e até agora escassa. Dos 1.129 caminhões que chegaram pela passagem fronteiriça de Rafa desde 21 de outubro, só 447 transportavam alimentos, o que equivale apenas a 7% das necessidades mínimas diárias da população, explicou o representante do PMA.

Por esta razão, é imprescindível a abertura de novas passagens fronteiriças com prioridade para transportar alimento, combustível e água, reclamou o especialista.

Continua após a imagem

Condições impedem cozinhar os poucos alimentos ainda disponíveis; segundo a ONU, ajuda externa é muito escassa

Resumen Latinoamericano
Apenas um quarto dos estabelecimentos comerciais que cooperavam com o PMA funcionam, já os mercados locais, fecharam

Exemplos da destruição

Um exemplo da gravidade da crise em Gaza é o fechamento de suas padarias: de 23 em funcionamento até 7 de outubro, não restou nenhuma, pelos bombardeios ou por falta de recursos para elaborar o apreciado alimento.

Além disso, apenas funciona uma quarta parte dos estabelecimentos comerciais que cooperavam com o PMA, pois o resto já não dispõe de alimentos essenciais. Também os mercados locais fecharam, e não há forma de cozinhar os poucos alimentos que aparecem.

Bebês, resgate de reféns, fogo amigo: Israel mente para legitimar genocídio palestino

A escassez de combustível é outro dos graves problemas, pois paralisa a elaboração e distribuição da assistência alimentar. Alguns caminhões chegaram na semana passada do Egito, mas os fornecimentos não puderam chegar aos civis nos refúgios devido à falta de combustível para os veículos de distribuição. 

Continua após o banner

O PMA proporcionou, desde o mês passado, assistência alimentar de emergência a mais de 700 mil pessoas deslocadas em Gaza e tem planos para ampliá-la para chegar a mais de um milhão nas próximas semanas.

Para conseguir isso depende de corredores de abastecimento crescentes e sustentáveis para Gaza, a possibilidade de estabelecer turnos para o pessoal dentro e fora com acesso humanitário seguro, e um apoio contínuo de países e organizações doadoras. 

Al Mayadeen em Resumen Latinoamericano
Tradução do espanhol: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Resumen LatinoAmericano

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação