Pesquisar
Pesquisar

“Falta de vergonha do império”, diz jornal sobre Cuba em lista de apoiadores do terrorismo

O responsável da diplomacia cubana pelos EUA, Carlos Fernández de Cossío, classificou como "mentira deliberada" a inclusão da Ilha na lista
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

O passo dado pela administração do ainda presidente Donald Trump tem o “claro objetivo de colocar obstáculos a qualquer recomposição futura dos laços entre Cuba e os Estados Unidos”, afirmou esta terça-feira, numa conferência de imprensa em Havana, o diplomata cubano Carlos Fernández de Cossío.

Cuba não é um país patrocinador do terrorismo, mas a decisão constitui um pretexto adicional para aplicar medidas contra Cuba, referiu, tendo advertido que a lista emitida pelo Departamento de Estado norte-americano é unilateral e carece do reconhecimento de qualquer autoridade internacional, informa a Prensa Latina.

Estas listas, defendeu Fernández de Cossío, foram concebidas apenas para difamar países com os quais os Estados Unidos da América têm divergências e para lhes aplicar medidas coercivas a nível económico e outros castigos, como ocorre com Cuba.

Na segunda-feira passada, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, anunciou em comunicado a decisão do departamento a seu cargo de incluir Cuba na lista de países que promovem o terrorismo.

A primeira vez que a maior das ilhas das Antilhas foi incluída nesta lista foi em 1982, durante a administração de Ronald Reagan (1981-1989). Recentemente, fora excluída desse grupo em 2015, no âmbito de um processo de aproximação aos EUA no segundo mandato de Barack Obama (2009-2017).

O responsável da diplomacia cubana pelos EUA, Carlos Fernández de Cossío, classificou como "mentira deliberada" a inclusão da Ilha na lista

Divulgação
Drone dos Estados Unidos "General Atomics MQ-9 Reaper", avaliado em 16 milhões de dólares.

Carlos Fernández de Cossío lembrou ainda, esta terça-feira, que o seu país tem sido vítima do terrorismo organizado, financiado e perpetrado, ao longo dos anos, pelo governo dos EUA ou por indivíduos e organizações que operam a partir de território norte-americano, tolerados pelas autoridades.

De acordo com dados oficiais, tais ações provocaram nas últimas décadas 3478 mortos e deixaram 2099 pessoas com incapacidades permanentes, referiu o diplomata, que aludiu à ampla rejeição da inclusão de Cuba na lista de Estados terroristas norte-americana a nível internacional, incluindo os próprios EUA.

Também o ministro cubano dos Negócios Estrangeiros, Bruno Rodríguez, condenou a decisão do Departamento de Estado norte-americano, que classificou como “hipócrita e cínica”, tendo acrescentado, na sua conta de Twitter, esta segunda-feira, que “o oportunismo político desta ação é reconhecido por todo aquele que tenha uma preocupação honesta com o flagelo do terrorismo e as suas vítimas”.

Estados Unidos, o maior terrorista do mundo

O diário Granma nota que “o país que, na sua prepotência, levanta tamanha farsa contra Cuba é o mesmo que promove o extremismo político e incentiva gente armada a tomar de assalto instituções públicas; que, ao subordinar a Saúde ao mercado, expõe os seus cidadãos ao contágio e à morte massiva por uma epidemia; que assassina, selectivamente e fora das suas fronteiras, quem considera inimigo, e que, num silêncio cúmplice, se abstém de condenar o ataque armado à Embaixada do país que agora acusa, descaradamente, de terrorista, e ao qual impôs um bloqueio há mais de 60 anos, para o fazer render pela fome e pela miséria”.

“Estados Unidos, o maior terrorista do mundo, classificam como patrocinador deste flagelo o país que mais médicos enviou pelo mundo fora para ajudar a salvar vidas do golpe da Covid-19. Os fatos põem a nu a falta de vergonha do império”, lê-se ainda no periódico cubano.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina
Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025