Pesquisar
Pesquisar

Famílias denunciam descaso na busca por vítimas da invasão dos EUA ao Panamá

Até o momento, 31 dos cadáveres encontrados esperam pelos fundos para realizar o cotejo genético das ossadas e dos familiares
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Cidade do Panamá

Tradução:

A busca e identificação de restos humanos de possíveis vítimas da invasão dos Estados Unidos ao Panamá, está sendo freada pela falta de fundos governamentais para reconhecer os corpos, denunciaram seus familiares. 

Depois de esperar desde 20 de dezembro de 1989 para encontrar os desaparecidos após o massacre do exército estadunidense, parentes e amigos se manifestaram na Defensoria do Povo para pedir ajuda no desenvolvimento das investigações realizadas pela Comissão 20 de dezembro, criada pelo governo anterior em 2016.

O grupo reclamou a ajuda do presidente do país, Laurentino Cortizo, em um cartaz exibido na parte de fora da instituição e contaram a jornalistas casos sobre os desaparecidos que são buscados desde essa época para que tenham um justo descanso eterno.

Até o momento, 31 dos cadáveres encontrados esperam pelos fundos para realizar o cotejo genético das ossadas e dos familiares

Wikimedia Commons
A história da cruenta invasão é um enigma, porque o exército agressor se negou a oferecer documentação.

Em setembro passado, sob a direção do Ministério Público, especialistas em antropologia e ciências forenses rastrearam uma fossa comum identificada no cemitério Monte Esperanza da cidade de Colón, mas o dinheiro se esgota sem que o Ministério de Relações Exteriores (Mire) entregue sua parte para continuar, segundo porta-vozes dos manifestantes. 

Os enlutados explicaram em uma missiva dirigida ao Defensor do Povo, Eduardo Leblanc, que até o momento foram recuperados 33 restos ósseos nas exumações realizadas desde janeiro passado na necrópole da capital Jardim da Paz, com interrupções por causa da Covid-19.

Expressaram sua preocupação pelo lento e burocrático desenvolvimento no desembolso de fundos, o que arrisca a identificação dos restos mediante provas do DNA, e inclusive a possibilidade de consegui-la, porque a vigência da Comissão venceu em 20 de julho de 2020. 

Até o momento, 31 dos cadáveres encontrados esperam pelos fundos para realizar o cotejo genético das ossadas e dos familiares que buscam seus seres queridos desaparecidos durante a agressão militar que deixou um número indeterminado de mortos.

Uma resolução do Mire estendeu por 12 meses, em julho passado, a existência do grupo e negou assim as 18 solicitações feitas pelos seus integrantes para concluir a investigação, que poderia ficar incompleta, segundo adiantou então Juan Planells, que encabeça a missão. 

A história da cruenta invasão é um enigma, porque o exército agressor se negou a oferecer documentação que permita esclarecer o ocorrido e o destino de um número indeterminado de civis e militares mortos e desaparecidos durante a ação, enquanto só existem depoimentos de testemunhas que relataram histórias isoladas. 

Entre as múltiplas versões, uma das mais reiteradas é a da criação de fossas comuns, uma delas com documentação fotográfica, enquanto outros testemunhos se referem a enterros fora dos cemitérios e inclusive cadáveres incinerados ou atirados ao mar. 

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei