Pesquisar
Pesquisar

Fascistas vandalizam Wipala, bandeira símbolo dos povos indígenas da Bolívia

Apoiadores de Camacho retiraram, à força e entre empurrões, a wiphala que tinha sido içada pelo vice-presidente Davic Choquehuanca em evento em Santa Cruz
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

Jovens reivindicaram, nesta sexta-feira (1º) o símbolo de origem indígena numa mobilização que representou entidades das 20 províncias do departamento de La Paz, na sequência das ofensas repetidas à wiphala em Santa Cruz, informa a Prensa Latina.

No passado dia 24, nas cerimônias do 211.º aniversário do Grito Libertário de Santa Cruz, o governador do departamento, o político de extrema-direita Luis Fernando Camacho impediu que o vice-presidente boliviano, David Choquehuanca, proferisse o seu discurso.

De forma paralela, indica a Agencia Boliviana de Información (ABI), alguns dos apoiadores de Camacho retiraram do mastro, à força e entre empurrões, a wiphala (termo da língua aimara) que tinha sido içada por Choquehuanca. Além disso, agrediram e expulsaram do local um dirigente indígena.

O Movimento para o Socialismo já pediu ao Ministério Público que investigue as ofensas realizadas em Santa Cruz contra o símbolo nacional, sublinhando que estão em causa “direitos fundamentais”, nomeadamente o de “liberdade de pluralismo ideológico” e o de “expressão”.

Apoiadores de Camacho retiraram, à força e entre empurrões, a wiphala que tinha sido içada pelo vice-presidente Davic Choquehuanca em evento em Santa Cruz

Página 12
População de El Alto com a wiphala, a bandeira indígena, que, com Evo Morales no poder, se tornou co-oficial, em 2008..

Por seu lado, a Federação Especial dos Trabalhadores Camponeses do Trópico de Cochabamba condenou o “ultraje” e exigiu ao Ministério Público que atue contra Camacho e seus correligionários, como o atual presidente do Comité Cívico pró Santa Cruz, Rómulo Calvo.

Mortes ocorridas durante golpe de Estado na Bolívia não ficarão impunes, garante Arce

Membros do partido Creemos, liderado por Camacho, retirou, na terça-feira, do seu local, mais uma vez, a wiphala, bandeira de sete cores, que representa os povos indígenas e é um dos símbolos nacionais da Bolívia.

Os aliados de Camacho, um dos agitadores no golpe de Estado de 2019 contra Evo Morales, chamaram “vândalos e delinquentes” a quem colocou no edifício do governo departamental a bandeira indígena, cumprindo a Constituição Política do Estado.

Não vamos permitir que faltem ao respeito a David Choquehuanca

Ao discursar esta quarta-feira em El Alto, a presidente do município, Eva Copa, manifestou solidariedade com o vice-presidente boliviano, David Choquehuanca, sublinhando que foi o povo quem escolheu “quem nos governa” e não permitirá que “ninguém lhe falte ao respeito”, sendo “uma autoridade democraticamente eleita”.

Copa disse que já “basta de confronto”, que “já não é tempo de divisão, é tempo de que falemos a linguagem da paz para todos”, em alusão ao que se passou no aniversário da fundação de Santa Cruz, refere a ABI.

Ação do México após golpe na Bolívia impediu assassinato de Evo Morales, afirmou chanceler

“A wiphala não é um partido político, a wiphala é do povo, a wiphala (é) dos 36 povos indígenas, originários e camponeses, (…) não confundam, não politizem este tema e as autoridades façam o que têm de fazer”, frisou a autarca de El Alto.

Lembrou ainda que a wiphala não é um mero trapo e que, como outros símbolos, tem um estatuto nacional reconhecido pela Constituição, desde 2008.

As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA