Pesquisar
Pesquisar
Foto: Marizad / Wikimedia Commons

Fearab América: Raisi ajudou menos favorecidos e tinha visão estratégica voltada ao futuro

Claude Fahd Hajjar, conselheira da federação, fez um discurso de condolência às vítimas do acidente que matou Raisi e lembrou que o apoio à Palestina é um pilar da política iraniana
George Ricardo Guariento
Diálogos do Sul Global
Taboão da Serra

Tradução:

Em uma cerimônia solene realizada em 24 de maio, a Federação de Entidades Americano-Árabes (Fearab América) manifestou suas condolências pela trágica perda do Presidente da República Islâmica do Irã, Seyyed Ebrahim Raisi, e do Ministro das Relações Exteriores, Dr. Hossein Amir-Abdollahian, além de outros membros da delegação iraniana, vítimas de um acidente de helicóptero em 19 de maio de 2024.

Em sua fala, Claude Fahd Hajjar, conselheira da Presidência da Fearab América, expressou sua solidariedade ao povo iraniano e ao líder supremo, Imam Sayyed Ali Khamenei, além de exaltar o legado de Raisi, destacando seu comprometimento com o desenvolvimento econômico e social do Irã, mesmo sob severas sanções econômicas internacionais.

Leia também | Palestina estava no topo das prioridades de Ebrahim Raisi, ex-presidente do Irã

Raíse “se dedicou, se entregou, serviu e construiu um caminho lindo para ajudar o seu país, mas principalmente mirando os menos favorecidos”, afirmou. Ainda segundo Hajjar, Raisi valorizava a herança cultural persa e tinha uma visão estratégica voltada para o futuro, buscando parcerias internacionais robustas, especialmente com a Rússia, a China e os BRICS.

O Dr. Hossein Amir-Abdollahian, descrito por Hajjar como um parceiro incansável na política de “Paciência Estratégica” de Raisi, também recebeu homenagens: “Durante esta gestão que durou 3 anos vimos o avanço nas relações bilaterais, a adesão aos BRICS , a aproximação do Irã com a Arábia Saudita”, destacou.

Conheça, acompanhe e participe das redes da Diálogos do Sul Global: https://bit.ly/45747jY

A morte dos líderes ocorre em um momento crítico, logo após a Operação “Inundação Al Aqsa”, destacando a contínua resistência iraniana em apoio à causa palestina, um pilar da política externa iraniana.

A declaração também citou a rápida resposta política do Irã que, conforme sua constituição, já designou o vice-presidente como novo mandatário e nomeou um novo Ministro das Relações Exteriores, com eleições marcadas para 28 de junho de 2024, demonstrando a resiliência e o compromisso democrático do país.

Leia a declaração completa de Claude Fahd Hajjar no portal Oriente Mídia.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

George Ricardo Guariento Graduado em jornalismo com especialização em locução radiofônica e experiência na gestão de redes sociais para a revista Diálogos do Sul. Apresentador do Podcast Conexão Geek, apaixonado por contar histórias e conectar com o público através do mundo da cultura pop e tecnologia.

LEIA tAMBÉM

narendra-modi
Índia: Narendra Modi chega a 3º mandato enfraquecido e com rastro de autoritarismo
Neoliberalismo
Thatcher 2.0? Think tank Atlas Network invade Europa com negacionismo e ultra liberdade de mercado
Jesus-Chuy-Garcia
Vítimas da violência no México e nos EUA se unem contra armamentismo estadunidense
emmanuel-macron
Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular