Pesquisar
Pesquisar

Febre nas redes sociais, cultura do cancelamento promove intolerância ao buscar justiça

Sociólogo explica que esse comportamento deriva de causas bastante justas e bem-intencionadas, mas caminhou para a intolerância, estimulando ataques
Flávia Coltri
Jornal da USP
São Paulo (SP)

Tradução:

Cultura do cancelamento é um termo bastante recente, conhecido e discutido principalmente entre os mais jovens nas redes sociais. A expressão é utilizada para denominar um comportamento que em sua essência busca por justiça social, mas acaba realizando uma espécie de linchamento virtual dos indivíduos que agem ou dão declarações politicamente incorretas.

O professor e sociólogo Marco Antônio de Almeida, do Departamento de Educação, Informação e Comunicação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, explica que esse comportamento deriva de causas bastante justas e bem-intencionadas, mas caminhou para a intolerância.

“A cultura do cancelamento deriva do politicamente correto, que demanda uma maior percepção e sensibilidade nas questões relacionadas a classes sociais, gênero, etnias, entre outros. É uma causa muito justa, porém que acabou partindo para uma política de tolerância zero aos erros, que levam a pedidos de demissões e corte de financiamentos, cancelando o indivíduo da vida pública.”

Sociólogo explica que esse comportamento deriva de causas bastante justas e bem-intencionadas, mas caminhou para a intolerância, estimulando ataques

Montagem: Energepic.com/Pexels
O professor Marco Antonio de Almeida diz que apesar das boas intenções por trás do cancelamento virtual, o comportamento prejudica o debate

Um exemplo recente e impactante da cultura do cancelamento ocorreu com a autora da série de livros Harry Potter, J.K. Rowling, após apresentar opiniões controversas sobre pessoas transgêneros em seu Twitter. As declarações feitas pela escritora despertaram a revolta dos fãs da saga e fortes críticas, até mesmo, dos atores dos filmes baseados em seus livros.

O comportamento tende a ser mais associado aos adolescentes e aos jovens adultos. E ocorre, principalmente, pela maior presença dessa faixa etária nas redes sociais. “Nas redes sociais as questões relacionadas ao cancelamento tendem a ter um peso muito grande, que acabam por envolver com bastante força os jovens, que são mais sensíveis a esse tipo de influência, já que passam muito mais tempo nas redes do que as pessoas mais velhas.”

Almeida diz que apesar das boas intenções por trás do cancelamento virtual, o comportamento prejudica o debate democrático. “A cultura do cancelamento é uma cultura equivocada, na medida em que ela não permite justamente o livre debate de ideias e a circulação de opiniões distintas, algo saudável para a democracia.”

Flávia Coltri | Jornal da USP


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Flávia Coltri

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)