Pesquisar
Pesquisar

Feminicídio aumenta no México: 423 mulheres foram assassinadas apenas até maio deste ano

Presidente López Obrador reconheceu o aumento da violência de gênero e ressaltou que está comprometido a mudar essa realidade
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Cidade do México

Tradução:

De janeiro a maio, 423 casos de feminicídios e homicídios culposos contra mulheres foram oficialmente comunicados no México, mais 7% do que em 2020, admitiu nesta semana a Secretaria de Segurança Pública. 
O presidente Andrés Manuel López Obrador dedicou a sua conferência de imprensa da manhã de segunda-feira (28) à dramática questão da violência de gênero, um dos maiores problemas que o país enfrenta e que, apesar de todos os esforços feitos pelo atual governo, ainda não foi resolvido.

A conferência contou com a presença de Rosa Icela Rodriguez, secretária de segurança, Olga Sanchez Cordero, chefe do Interior, e representantes dos gabinetes estatais que tratam das várias questões que afetam as mulheres mexicanas, tais como a discriminação no emprego, o assédio sexual e até mesmo a violência doméstica.
Presidente López Obrador reconheceu o aumento da violência de gênero e ressaltou que está comprometido a mudar essa realidade

Reprodução: Winkimedia
Protesto contra violência sobre mulheres no Mexico

O Ministro da Segurança disse que oito estados têm as taxas mais elevadas de feminicídios por cada 100.000 mulheres. São Morelos, Sonora, Quintana Roo, Colima, Jalisco, Sinaloa, San Luis Potosi e Chiapas.

No entanto, não foram apresentados números sobre o número de assassinatos nesses locais ou o total cumulativo, embora a Secretária Olga Sanchez tenha notado que se trata de um mal que se tem arrastado desde a última década do século passado e que tem aumentado neste último.

Todos os participantes concordaram que houve um aumento de feminicídios durante a pandemia, e que estão a estudar em profundidade as causas e ações para abordar o problema da forma mais eficaz com programas territoriais das várias agências governamentais. Sanchez disse que a estratégia de prevenção e cuidados para que as mulheres tenham acesso a uma vida livre de violência é uma prioridade dos governos federal e estaduais.

Na sequência da questão do aumento dos feminicídios, Icela Rodríguez admitiu que o aumento dos homicídios de mulheres foi registado desde 2018 e cresceu em 2019, quando os critérios criminais foram unificados e um registo nacional foi reforçado para homologar as causas dos homicídios nos 32 estados. 

Segundo os números apresentados por Rodriguez, dos 724 municípios que registam processos de feminicidas, 50 concentram 38,5 dos casos e outros cinco 7,9 entre os quais Culiacan, Tijuana, Juarez, Guadalajara e Monterrey.

O Presidente Lopez Obrador aceitou que há um aumento do feminicídio no país e que o seu governo não está virando as costas a esta realidade, mas trabalha todos os dias para definir e eliminar as causas que o geram.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia