Pesquisar
Pesquisar

Feminicídio no Equador: o machismo e a misoginia elevados à categoria de lei

Não me digam que a justiça avança para proteger essas vítimas, porque a justiça esteve sempre a serviço dos que cometem as violências
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul Global
Cidade da Guatemala

Tradução:

O assassinato de María Belén Bernal, no Equador, me levou àqueles dias carregados de dor e impotência depois do desaparecimento de Cristina Siekavizza, na Guatemala. Dois casos muito parecidos, duas mulheres cujos pedidos de auxílio foram ignorados por aqueles que consideraram que a situação não se enquadrava como um “conflito de casal” e em cujo desaparecimento houve cumplicidade das autoridades.

Casos emblemáticos ambos, cujos ecos derrubaram as comportas e despertaram a indignação da opinião pública, tal e como sucede no Irã pelo assassinato de Mahsa Amini, torturada até a morte nas mãos da polícia. Mas a indignação não basta se não é acompanhada de ações radicais para mudar essas sólidas estruturas patriarcais.

Assista na TV Diálogos do Sul

Os efeitos do machismo e da misoginia, institucionalizados e elevados à categoria de lei, persistem em nossos países tanto como em aqueles submetidos a governos com estritas normas religiosas cuja força restritiva golpeia, com especial ênfase, o segmento feminino da sociedade.

Porém nós, a partir do falso cenário da cultura ocidental e da débil estrutura de nossas democracias, nos afanamos por condená-los, embora somos capazes de abandonar crianças e mulheres nas mãos das redes de tráfico, abuso sexual e violência machista, sem questionar nossa postura moral. 

Não me digam que a justiça avança para proteger essas vítimas, porque a justiça esteve sempre a serviço dos que cometem as violências

Victor Foto – Flickr

Não me digam que um caso é mais importante que outros, só porque a vítima pertence a uma certa categoria social.

Que não me digam que é exagero. Que não me digam que é culpa das mulheres, porque a todos nos consta a barreira de obstáculos erigida em nossos países terceiro-mundistas para tornar impossível as denúncias.

Me consta, por ter visto de perto, o tratamento humilhante das autoridades – policiais, promotores e juízes – diante dos casos de violação, de assédio e de feminicídio. Não me digam que a justiça avança para proteger essas vítimas, porque a justiça – como a maioria das instituições de nossos países – esteve sempre a serviço dos que cometem as violências.

Não me digam tampouco que um caso é mais importante que outros, só porque a vítima pertence a uma certa categoria social. Em cidades, povoados e aldeias de nossas nações são milhares de meninas, adolescentes e mulheres desaparecidas, as quais jamais são buscadas pelas autoridades.

As organizações criminosas dedicadas ao tráfico têm suas bases instaladas em despachos oficiais e isso é parte fundamental da realidade incontestável que nos rodeia, a qual temos naturalizada ao ponto de nem sequer refletir sobre ela. 

Todo ato de protesto vale. O silêncio, em troca, leva a selo do fracasso.

Carolina Vasquez Araya, colaboradora da Diálogos do Sul, na Cidade da Guatemala.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

fome-onu-Somalia
“Tormenta”: fome atinge 18 localidades do mundo e exige ação urgente, alerta ONU
frei-betto-ressocializacao
Frei Betto | Sim, é possível ressocializar presos comuns
Chiquita-Brands
Condenada nos EUA, multinacional Chiquita bancou paramilitares autores de massacres na Colômbia
Nayib Bukele
Projeto repressivo de Bukele ignora raízes da criminalidade e gera ilusão de segurança