Pesquisar
Pesquisar

Fenômeno migratório está de novo no centro das difíceis relações bilaterais entre Espanha e Marrocos

Em menos de duas semanas, quase 400 pessoas alcançaram o “sonho europeu”, que nesse momento se traduz em sua internação em um centro de retenção de migrantes
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

A fronteira africana entre Espanha e Marrocos está de novo em máxima tensão, depois de uma entrada massiva de migrantes subsaarianos, na qual 238 pessoas conseguiram superar as barreiras fronteiriças da cidade de Melilla e entrar em território europeu. 

Em menos de duas semanas, quase 400 pessoas alcançaram o “sonho europeu”, que nesse momento se traduz em sua internação em um centro de retenção de migrantes, que está à beira do colapso pela superlotação e a superpopulação.

O fenômeno migratório está de novo no centro das difíceis relações bilaterais entre Espanha e Marrocos. Se em maio passado, a cidade de Ceuta viveu momentos inéditos, com a irrupção de mais de oito mil migrantes com a conivência da polícia fronteiriça marroquina, nesta ocasião a chegada em massa foi em Melilla — a outra cidade espanhola do norte da África. 

Segundo informe da polícia espanhola, há duas semanas se registraram dois saltos de migrantes, separados por 48 horas, que se traduziram em 119 e 20 entradas irregulares. Que somadas às recentes, com 238, o total de migrantes em Melilla já soma 377 nos últimos 11 dias. 

Em menos de duas semanas, quase 400 pessoas alcançaram o “sonho europeu”, que nesse momento se traduz em sua internação em um centro de retenção de migrantes

La Jornada
Os migrantes são a maioria procedente da África subsaariana

Valas fronteiriças

Os migrantes, a maioria procedente da África subsaariana, estavam há algum tempo buscando uma brecha e a encontraram em uns pequenos buracos na vala fronteiriça de mais de seis metros com material anti escalada.

Com alguns objetos rudimentares que utilizaram como ganchos para agarrar-se à parede, foram escalando um a um durante a madrugada, até somar os 238, que assim que pisaram em solo espanhol correram pela cidade gritando loas de vitória e em busca do centro de internação, que para eles é o primeiro passo para a concessão do estatuto de asilado.

A polícia tentou repelir a chegada deles com um dispositivo anti-distúrbios, que provocou ferimentos em 28 pessoas, a maioria migrantes, que ficaram com contusões leves e pelo menos três agentes espanhóis com impactos de pedras.

Além disso, o governo espanhol, do socialista Pedro Sánchez, informou que nas últimas tentativas de entrada massiva de migrantes se registraram confrontos que provocaram ferimentos em pelo menos sete agentes da Guarda Civil e um número sem identificar os migrantes, mas presume-se que possam exceder 50.

Armando G. Tejeda, Correspondente – La Jornada. Madri

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel